Câmara dos Deputados irá acompanhar investigações do assassinado da vereadora Marielle

A Polícia Civil do Rio acredita que os assassinos seguiram a vereadora Marielle Franco (PSOL) desde o momento em que ela saiu do evento onde estava na Lapa, no Centro do Rio, na noite desta quarta-feira (14). Ela pode ter sido perseguida por cerca de quatro quilômetros.

 

Segundo a investigação, Marielle não tinha o hábito de andar no banco de trás do veículo, que tem filme escuro nos vidros. Na noite desta quarta, no entanto, ela estava no banco traseiro quando o crime ocorreu, o que seria mais uma prova de que os assassinos estavam observando a vítima há algum tempo.

 

Do lado esquerdo do carro que levava a vereadora Marielle Franco ficaram as marcas por onde os tiros saíram, segundo a perícia (Foto: Reprodução/TV Globo) Do lado esquerdo do carro que levava a vereadora Marielle Franco ficaram as marcas por onde os tiros saíram, segundo a perícia (Foto: Reprodução/TV Globo)

Do lado esquerdo do carro que levava a vereadora Marielle Franco ficaram as marcas por onde os tiros saíram, segundo a perícia (Foto: Reprodução/TV Globo)

 

Segundo a polícia, os disparos foram efetuados a cerca de dois metros do carro das vítimas, quando um outro automóvel, um Cobalt prata, emparelhou. Além de Marielle, o motorista Anderson Pedro Gomes também foi baleado e morreu. A perícia constatou que os tiros entraram pela parte traseira do lado do carona, onde Marielle estava sentada, e três disparos acabaram atingindo o motorista. De acordo com a Divisão de Homicídios, o atirador seria experiente e sabia o que estava fazendo.

 

Os assassinos usaram uma arma 9 mm para executar o crime. Marielle havia participado no início da noite de um evento chamado “Jovens Negras Movendo as Estruturas”, na Rua dos Inválidos, na Lapa.

 

 

Policiais da Divisão de Homicídios fazem diligência nas ruas em busca de imagens de câmeras de segurança que possam esclarecer a morte de Marielle Franco. A perícia encontrou nove cápsulas de tiros no local. Os criminosos fugiram sem levar nada.

 

Além da assessora que estava no carro com Marielle, a polícia já ouviu, pelo menos, mais uma testemunha do crime. O secretário Estadual de Direitos Humanos do Rio, Átila Alexandre Nunes, afirmou que o órgão está deixando o programa de proteção à disposição das testemunhas da morte de Marielle Franco.

 

Rivaldo Barbosa, novo chefe da Polícia Civil, diz que morte de Marielle Franco 'atenta contra a democracia' (Foto: Reprodução / TV Globo) Rivaldo Barbosa, novo chefe da Polícia Civil, diz que morte de Marielle Franco 'atenta contra a democracia' (Foto: Reprodução / TV Globo)
Rivaldo Barbosa, novo chefe da Polícia Civil, diz que morte de Marielle Franco ‘atenta contra a democracia’ (Foto: Reprodução / TV Globo)

 

Na manhã desta quinta (15), o novo chefe da Polícia Civil do Rio, Rivaldo Barbosa, disse que a morte da vereadora Marielle atenta contra a democracia e reafirmou que a principal linha de investigação é execução.

 

“Estamos diante de um caso extremamente grave que atenta contra a dignidade da pessoa humana, que atenta contra a democracia. Quero agradecer ao deputado Marcelo Freixo por ter vindo à chefia da Polícia Civil, é uma demonstração de apreço e respeito pela instituição. Vamos adotar todas as formas possíveis e impossíveis para dar resposta a este caso gravíssimo”, disse.

 

A declaração foi feita ao lado do deputado Marcelo Freixo (PSOL). Segundo o parlamentar, não havia nenhuma ameaça contra a colega. Freixo disse ter conversado com familiares e amigos de Marielle, que confirmaram as informações.

 

 

“Quem matou a Marielle tentou matar a possibilidade de uma mulher negra, nascida na Maré, feminista, estar na política. Isso não é aceitável em qualquer lugar do mundo. Vamos exigir até o último momento que se descubra o que aconteceu”, garantiu Rivaldo.

 

Marielle Franco, vereadora do PSOL, na Câmara do Rio em foto de 2017 (Foto: Renan Olaz/Câmara do Rio) Marielle Franco, vereadora do PSOL, na Câmara do Rio em foto de 2017 (Foto: Renan Olaz/Câmara do Rio)

Marielle Franco, vereadora do PSOL, na Câmara do Rio em foto de 2017 (Foto: Renan Olaz/Câmara do Rio)

 

Ato ecumênico é realizado na Câmara

 

Nesta manhã, um ato em frente à Câmara de Vereadores do Rio homenageou Marielle. Os manifestantes chegaram na Cinelândia aos poucos. Por volta das 11h, centenas deles estavam concentrados no local. O corpo da vereadora e o do motorista chegou ao Palácio Pedro Ernesto por volta das 14h30 para o velório.

 

Entre palavras de ordem, cartazes e cantos, eles lamentaram o assassinato da vereadora. “É triste, muito triste, mas essa condição da morte da Marielle não é uma novidade. Basta ver o que aconteceu com a juíza Patrícia Acioli, assassinada em Niterói por combater PMs corruptos. No Brasil é assim: qualquer um que lute contra a corrupção e defenda os direitos humanos está em risco. E as forças de segurança, é claro, não fazem nada”, comentou o deputado federal Chico Alencar.

 

Emoção na Cinelândia, na vigília em homenagem a Marielle Franco (Foto: Marcos Serra Lima / G1) Emoção na Cinelândia, na vigília em homenagem a Marielle Franco (Foto: Marcos Serra Lima / G1)

Emoção na Cinelândia, na vigília em homenagem a Marielle Franco (Foto: Marcos Serra Lima / G1)

 

 

Infográfico mostra como foi o assassinado de Marielle Franco (Foto: Editoria de Arte/G1) Infográfico mostra como foi o assassinado de Marielle Franco (Foto: Editoria de Arte/G1)