Conectado por

Rondônia, sábado, 18 de setembro de 2021.



Exame

Bolsonaro defende participação de PMs em ato do dia 7 de setembro


Compartilhe:

Publicado por

em


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

O presidente Jair Bolsonaro defendeu neste sábado, 4, a participação de policiais militares nas manifestações marcadas para o dia 7 de setembro e garantiu que não irá recuar de suas posições, em meio à forte tensão entre os Poderes Executivo e Judiciário.

“Ou falo o que os caras querem ou abrem inquérito contra mim. Estão achando que vão me brochar, estão achando que vou recuar”, disse Bolsonaro na conferência de direita CPAC, em Brasília.


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Bolsonaro é alvo de vários inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF), entre eles o das fake news e o do vazamento de dados sigilosos sobre investigação da Polícia Federal relacionada à ataque hacker contra o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2018, não relacionado às eleições daquele ano.

Nas últimas semanas, Bolsonaro tem subido o tom especialmente contra os ministros do Supremo Alexandre de Moraes, relator desses inquéritos, e Luís Roberto Barroso, que também é presidente do TSE e contrário ao voto impresso para urnas eletrônicas, bandeira cara ao chefe do Executivo.

O presidente aproveitou discurso no mesmo evento neste sábado para defender a participação de PMs nos atos de terça-feira.

“Hoje vocês veem alguns governadores ameaçando expulsar policiais militares, que por ventura estejam de folga dia 7, e compareçam para festejar o 7 de setembro. Se falarmos ‘não sou policial militar, não tenho nada a ver com isso’, aguarde que sua hora vai chegar”, afirmou.

Nas redes sociais, militares e policiais militares – na maioria dos casos, da reserva, já que os da ativa são proibidos por lei de estarem em atos políticos – participam das convocações para as manifestações de 7 de setembro.

Fala-se na participação de “milhares de policiais”, apesar das ameaças de governadores e do Ministério Público de punir e processar aqueles que decidirem comparecer mesmo contra a lei.

Uma das bases mais fortes hoje do bolsonarismo, a participação de policiais militares preocupa os governadores pelo potencial de violência que pode vir de homens armados e atraídos pela ideia de dar endosso às ameaças veladas de golpe de Bolsonaro.

Fonte: Revista Exame

Publicidade

GOVERNO DE RONDÔNIA educamaisbrasil educamaisbrasil

Últimas notícias

Facebook