RONDONIA RO
Conectado por

Rondônia, domingo, 16 de maio de 2021.



Exame

BIG Festival se une ao Discord para evento online de games único


Compartilhe:

Publicado por

em


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Navegar em eventos online tem sido um desafio em um mundo onde realizá-los fisicamente se tornou impossível. A CES, maior feira de tecnologia do mundo, tradicionalmente realizada em Las Vegas, foi descrita como difícil de acompanhar, e cheia de apresentações e salas de conferência em vídeo e baixa integração.

Mas o BIG Festival, maior festival independente de games da América Latina, está disposto a tentar e tem um plano para fazer um evento online diferente de qualquer outro.

O festival, que acontece entre os dias 3 e 9 de maio, terá participação de desenvolvedoras nacionais e internacionais de jogos, plataformas e até uma parceria inédita no Brasil com o Discord, canal de comunicação bastante utilizado pela comunidade gamer. Todo o evento é gratuito, à exceção das rodadas de negócio, e o cadastro pode ser feito pelo site.

“Estamos redesenhando o evento do zero. Temos a experiência do evento físico, mas o desafio é como transportar os aspectos essenciais do BIG para o ambiente online”, afirma Gustavo Steinberg, idealizador do festival.

No ano passado, pega repentinamente pelo início da pandemia, a organização do evento optou por realizar apenas a área de interações comerciais, em que produtoras e desenvolvedoras de jogos poderiam fechar parcerias e acordos. A organização do festival transpôs as ferramentas de reuniões para o virtual e obteve sucesso com esse aspecto do evento. Desde 2012, segundo estimativas da organização, o BIG já gerou 200 milhões de dólares em negócios durante o evento.

Em 2021, a ideia é repetir esse processo, mas também trazer a área de usuários e gamers, que teve de ser deixada de lado no ano passado. Para isso, os organizadores pesquisaram o que deveria ser apresentado e como fazer isso. 

O BIG este ano contará com área de palestras, rodadas de negócios, campeonatos amadores de e-sports e até um portal de empregos para permitir que os participantes possam buscar por oportunidades na área de forma organizada, não só pelos contatos durante o festival. Os estúdios de jogos deixarão os games disponíveis para ser experimentados em plataformas digitais em nuvem, à demanda dos participantes do evento.

No Discord, a ideia é simular os estandes virtuais. Gostou do jogo? Clique no botão para falar com o desenvolvedor. O usuário será direcionado, então, para o aplicativo e poderá entrar numa sala para conversar com quem fez aquele game.

“O mais importante é o conteúdo, as pessoas querem chegar no jogo. Quando selecionamos o jogo para um evento presencial o estúdio precisar levar um computador e precisa estar lá para mostrar o jogo e conversar. No festival online é a mesma coisa, é preciso estar disponível para falar no nosso servidor no Discord”, afirma Steinberg.

O mercado de games, a exemplo de outros setores que se beneficiaram de as pessoas passarem mais tempo em casa, vive um momento de crescimento. A indústria terminou o ano passado avaliada em 179 bilhões de dólares, segundo dados da consultoria IDC, com alta de 20%. É esperado que o número de pessoas jogando passe de 3 bilhões nos próximos dois anos.

De acordo com Steinberg, esse crescimento e as dinâmicas do mercado se refletem no festival, que frequentemente aborda novidades, tendências e discussões correntes no setor. Este ano, as palestras devem continuar discutindo os principais temas, como rentabilidade do mercado, games mobile, entre outros — a programação será divulgada nos próximos dias.

Steinberg, no entanto, deixa claro: o BIG Festival não é só voltado para a indústria. “Acredito que muita gente ainda não conhece o BIG ou pensa que é algo para a indústria, e não é. É um lugar para aprender sobre jogos, e tem muitas pessoas procurando isso”, disse.

Fonte: Revista Exame

Publicidade

Mais destaques

Facebook