DENUNCIA OLX
Estelionatários estão se passando como ex-funcionários da montadora Honda, em Manaus, para aplicar golpes. Eles costumam fazer um anúncio em um site de compras e vendas e conversam diretamente com o cliente. | Foto: Divulgação
PublicidadeBolsas de Estudos com até 70% de desconto

Manaus – Dezenas de pessoas caíram em um novo golpe em Manaus nos últimos dias. Estelionatários estão se passando por funcionários da Moto Honda da Amazônia para aplicar golpes. O caso ganhou repercussão nas redes sociais neste fim de semana após a administradora Jennyfer Farias, de 27 anos, fazer uma publicação relatando que perdeu R$ 11 mil na compra de uma falsa motocicleta.

De acordo com a vítima, a quadrilha é altamente especializada e utiliza equipamentos sofisticados para ludibriar os clientes interessados no anúncio, feito em um site de compras. Os suspeitos utilizam um falso call center, repassam documentos timbrados com a logomarca da Honda, utilizam e-mails corporativos e, aparentemente, possuem acesso ao sistema utilizado por um cartório de Manaus.

Modus Operandi

Estelionatários estão se passando como ex-funcionários da montadora Honda, em Manaus, para aplicar golpes. Eles costumam fazer um anúncio em um site de compras e vendas e conversam diretamente com o cliente.
Estelionatários estão se passando como ex-funcionários da montadora Honda, em Manaus, para aplicar golpes. Eles costumam fazer um anúncio em um site de compras e vendas e conversam diretamente com o cliente. | Foto: Divulgação

A administradora relata que ao ligar para o contato do anunciante, o suposto vendedor, identificado apenas como Michel, disse ser um funcionário da empresa que acabou de ser demitido e recebeu duas motocicletas como compensação da rescisão pelos anos de prestação de serviços. Para não ficar no prejuízo, ele teria decidido vender um dos veículos.

Para não levantar desconfiança sobre a versão, o homem instruiu que a vítima ligasse para o call center da empresa e recebesse orientações de como efetuar a comprar, que ocorreria diretamente com a Honda. Mesmo cética, ela decidiu efetuar a ligação para comprovar a versão apresentada.

A administradora foi atendida por uma mulher, que também se apresentou como funcionária da Honda e passou informações sobre os trâmites da venda da moto. As fotos da documentação foram enviadas via WhatsApp e depois os contratos foram enviados por e-mail, em uma conta supostamente ligada à empresa. Todos documentos apresentados eram em papel timbrado com a logo da montadora.

A administradora informou que realizou todos os processos e chegou a levar os documentos para serem reconhecidos em um cartório local. A atendente informou que a jovem precisava fazer a transferência bancária dos R$ 11 mil.

Eu fui informada que se tratava de um golpe

Jennyfer Farias, disse a administradora nas redes sociais

Suspeita de facilitação

Jennyfer disse à reportagem que mais um detalhe chamou sua atenção. Após reconhecer o contrato em cartório, a suposta atendente do call center entrou em contato com ela, via WhatsApp, falando que já conseguia visualizar no sistema que ela já havia feito o reconhecimento dos documentos. Essa também foi uma das características que a fez confiar na transação. A polícia investiga a suspeita de facilitação por funcionários do cartório.

Confiante, a administradora efetuou a transferência do dinheiro, que estava economizando há alguns anos, no último dia 6. A atendente disse que a nota fiscal seria enviada à Jennyfer no mesmo dia por e-mail e depois ela poderia pegar o veículo na fábrica localizada no Distrito Industrial.

Sem receber a nota, Jennyfer decidiu juntar os documentos e ir até a Honda. Ao se aproximar da empresa, a vítima informou ao homem que estava indo buscar a moto e foi bloqueada por ele no aplicativo de conversas. A administradora conta que não conseguiu mais contato com Michel e teve certeza que caiu em um golpe ao chegar na sede da Honda. No local ela foi informada que não havia ninguém com o nome informado e que que se tratava de um golpe.

Polícia

A vítima imediatamente procurou o 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP), na Zona Oeste da capital, e registrou um Boletim de Ocorrência. Lá ela foi informada pelos policiais que várias vítimas já caíram no mesmo golpe. Segundo a polícia, a quadrilha já está sendo investigada.

A administradora postou nas redes sociais sobre o caso e outras vítimas também entraram em contato com ela.

“Eles relataram as mesmas coisas. Os golpistas só variam os nomes, mas é a mesma motocicleta no anúncio”, disse. A motocicleta é anunciada em valores que vão de R$ 5 mil a R$ 19 mil.

Documentos tem papel timbrado da empresa
Documentos tem papel timbrado da empresa | Foto: Divulgação

Segundo o delegado Aldeney Goes, titular da delegacia, o caso está sendo devidamente investigado pela unidade policial. A Polícia Civil também destacou que eventuais vítimas da área de abrangência do 19° DIP formalizem os Boletins de Ocorrência para que a polícia obtenha mais informações sobre os golpistas.

A Moto Honda da Amazônia informou, por meio de comunicado no site oficial, que foram identificadas diversas fraudes envolvendo a marca em falsas promoções e ofertas de produtos e negou que haja qualquer tipo de negociação na fábrica ou direto com funcionários da montadora.

“Esclarecemos que a Honda não realiza vendas diretas para o consumidor final, seja pela internet, por telefone ou por intermédio de seus colaboradores. Nossos produtos são comercializados exclusivamente através da nossa rede de concessionárias autorizadas”, adverte em um comunicado em seu site.

Vítima registrou BO no 19° DIP
Vítima registrou BO no 19° DIP | Foto: Divulgação

*Colaborou Priscila Rosas / Em tempo