Cachorro osasco
PublicidadeDJ90

Uma denúncia rodou as redes sociais nos últimos dias a respeito de um cachorro que teria sido espancado e morto por um segurança de uma unidade do Carrefour, em Osasco, na Grande São Paulo, na quarta (28).

De acordo com relatos, o vira-lata estaria circulando pelo mercado havia uma semana. Por pedido de um superior, o funcionário teria batido no cão e, possivelmente, o envenenado. “Só porque pessoas importantes e diretores da matriz da empresa visitariam a loja. Para fazer ‘bonito’, não queriam o cachorro abandonado rodando por lá“, escreveu Isabela Marcelino, internauta que divulgou o caso. Sua postagem no Facebook tem mais de 19 000 compartilhamentos.

Após a agressão, dizem as acusações, o animal saiu rastejando, deixando um rastro de sangue pelo chão. Chegou a ser recolhido pelo Departamento de Fauna e Bem-Estar Animal da cidade, mas não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo.

A versão da empresa

Um funcionário de empresa terceirizada tentou afastá-lo da entrada da loja e imagens mostram que esta abordagem pode ter ocasionado um ferimento na pata do animal. O Centro de Zoonoses de Osasco foi acionado novamente e compareceu ao local para recolhê-lo. No entanto, no momento da abordagem dos profissionais do órgão para imobilização, o cachorro desfaleceu em razão do uso de um ‘enforcador’, tipo de equipamento de contenção.

A delegacia especializada de Osasco (D.I.I.C.M.A.) abriu inquérito e está investigando o caso. Estamos colaborando com as autoridades, disponibilizamos todas as informações e imagens para que o fato seja solucionado.”

O lado do Departamento de Fauna e Bem-Estar Animal

De acordo com a Prefeitura de Osasco, o órgão foi acionado na quinta (29) para prestar socorro a um cachorro, possivelmente vítima de atropelamento, no estacionamento do hipermercado. O animal foi levado e recebeu os atendimentos emergenciais, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu.

Somente na noite de sexta (30), o departamento recebeu a denúncia de que o cão havia sido espancado e envenenado – e não atropelado. Novamente, funcionários do local estiveram no hipermercado, onde encontraram o delegado Bruno Lima, que colheu depoimentos de testemunhas e registrou boletim de ocorrência.

A prefeitura acompanhará o andamento do inquérito policial, que ficará sob responsabilidade da Polícia Civil. Só será possível informar o que houve com o cachorro após a conclusão do mesmo.

Sobre o uso do enforcador citado pelo Carrefour, o órgão afirmou que o manejo foi realizado por um oficial de controle animal qualificado. O pet deu entrada consciente no departamento com sangramento, pressão baixa, mucosas anêmicas, hipotermia intensa, vômito com sangue e escoriações múltiplas.