Com o compromisso de manter sua atuação no campo da sustentabilidade como um dos pioneiros, o TRT14 publicou seu 2º Relatório de Desempenho do Plano de Logística Sustentável (PLS), que traz resultados positivos.
A implantação do PLS na Justiça do Trabalho atende a Resolução nº 201/2015, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que determina a criação de núcleos socioambientais e implantação do PLS na estrutura de todo o Poder Judiciário.
De modo a atender a referida norma, o TRT14 instituiu o seu PLS, por meio da Resolução Administrativa TRT14 n. 101/2016, alinhado ao Planejamento Estratégico Participativo 2015-2020, bem como a Seção de Sustentabilidade e Programas Ambientais, pertencente à Secretaria Administrativa, por meio da  Resolução Administrativa TRT14 n. 104/2017, que definiu a nova reestruturação organizacional e funcional do Regional.
Segundo o chefe da referida Seção, Ariel Rodrigues, O objetivo do Plano é sistematizar as práticas de sustentabilidade no âmbito do tribunal, aplicando de forma eficiente os recursos e promovendo o uso consciente de materiais, adotando como modelos de gestão a promoção da sustentabilidade ambiental, econômica e social em suas unidades.
“A sustentabilidade está diretamente relacionada ao desenvolvimento econômico e material sem agredir o meio ambiente, ou seja, ser sustentável é ser racional, pensar a utilização dos recursos da melhor maneira para o Tribunal traz benefícios para todos, indo muito além da Justiça do Trabalho”, ressaltou.
Principais resultados
Entre os insumos que o Regional se esforçou para reduzir, cabe destacar o uso de papel para impressão. A meta estabelecida visa reduzir o consumo de papel reciclado em 2%, tomando como marco comparativo o ano anterior. Foram utilizados, em 2017, 3.140 resmas de papel reciclado, 28% menos que em 2016 (4.360 resmas). Tal resultado impactou diretamente os valores gastos com o item em 2017 (R$ 49.803,80), apresentando redução de 18% em relação ao período de 2016 (R$ 60.678,60).
Quanto ao indicador de consumo de suprimentos de impressão, a meta estabelecida era reduzir o consumo de suprimentos de impressão em 1%, tomando como marco comparativo o ano anterior. Foram contabilizados em 2017, 388 tonners, 3,2% a menos do que em 2016 (401 tonners).
Com relação ao indicador equipamentos de impressão instalados, a meta estabelecida era reduzir a quantidade total de equipamentos de impressão instalados em 1%, tomando como marco comparativo o ano anterior. Foram contabilizados em 2017, 360 equipamentos, 9% a menos que em 2016 (396 equipamentos).
Em 2017, com a adoção das lâmpadas LED e de outras medidas visando o uso racional de energia elétrica, o Tribunal alcançou redução de 1,3% no consumo de energia elétrica dedicada à iluminação em relação ao ano de 2016, o que resultou uma economia de mais de 128 mil reais. No ano de 2017, o Regional promoveu a instalação de lâmpadas de LED em alguns de seus edifícios, a exemplo do Fórum Trabalhista de Porto Velho, onde funciona mais da metade das Varas de Trabalho da Capital e na Vara do Trabalho de Plácido de Castro (AC). Será iniciada em 2018 a troca dos forros do 5º e 6º andar do edifício-sede, oportunidade em que também serão instaladas lâmpadas de LED, medida que contribuirá ainda mais para a redução do consumo de energia elétrica.
Referente ao indicador volume de água encanada consumida, o TRT14 teve expressiva redução em seu consumo. Tendo reduzido mais de 24% neste quesito, resultando economia na ordem de 20 mil reais.
No que concerne o indicador que mede a quantidade de ações de sensibilização e capacitação em sustentabilidade, foi registrado aumento de 2 em 2016 para 6 em 2017.
Quanto a destinação de resíduos, o TRT14 teve um aumento na destinação de lâmpadas. Tendo aumento mais de 3% neste quesito. De 1850 para 1900 unidades.
Vale destacar, ainda, os avanços na gestão dos resíduos de saúde, com o início, em 2017, de destinação mensal adequada daquilo que é produzido pelas unidades de saúde.
A participação dos colaboradores em ações solidárias aumentou de 227 para 354, representando aumento de 56%.
Quanto aos indicadores que medem os gastos totais com contrato de telefonia (fixa e móvel), a meta estabelecida era reduzir a despesa com esses serviços em 2%, tomando como marco comparativo o ano anterior. Foram registradas reduções expressivas: foi gasto com telefonia móvel o valor de 176.625,52 reais, 23% a menos do que em 2016, quando o gasto foi de 228.889 reais; com relação aos gastos com telefonia fixa, registrou-se despesa de R$ 38.681,97, 40% a menos do que o registrado para 2016, quando o gasto foi de R$ 64.820,42.
Também foram registrados resultados satisfatórios para o indicador que mede o consumo e gasto com combustíveis. O consumo de gasolina apresentou redução de 28% em relação ao ano anterior.
De acordo com Ariel, a apresentação do relatório anual serve não somente para avaliar os resultados obtidos em cada área, mas também para reavaliar os próprios indicadores. Algumas iniciativas que foram concretizadas rapidamente estão sendo revistas, substituindo os indicadores originais por outros que busquem melhorias mais profundas.
Confira o material na íntegra AQUI.