O Governo Federal e a Câmara dos Deputados trabalham com o prazo de 19 de fevereiro para a votação da PEC 285 (Projeto de Lei da reforma da previdência). Mas o Sindicato dos Auditores Fiscais de Tributos de Rondônia (SINDAFISCO) reforça ser contrário a reforma, pois a classe trabalhadora não pode pagar uma conta que não é sua. “Essa reforma acaba com os direitos já conquistados dos trabalhadores. O governo pode adotar outros métodos para diminuir os déficits fiscais, que eles dizem existir, e a dívida pública, sem mexer com os trabalhadores”, disse Mauro Bianchin, presidente do SINDAFISCO.

A diretoria do sindicato lembra ainda que no dia 20 de março do ano passado, em reunião na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado de Rondônia (Sintero), em Porto Velho, deputados e senadores representantes do Estado criticaram a proposta de reforma da Previdência e assinaram um termo de compromisso, firmando acordo pela não aprovação da matéria.

No evento, os senadores Acir Gurgacz (PDT) e Valdir Raupp (PMDB) e os deputados federais Marcos Rogério (DEM), Lindomar Garçon (PRB), Expedito Netto (PSD) e Nilton Capixaba (PTB) confirmaram que são contrários a reforma previdenciária, nos termos que é apresentada pelo Governo Federal. Embora não tenham comparecido à reunião, os deputados federais Lúcio Mosquini (PMDB) e Marinha Raupp (PMDB) também declaram serem contra a proposta.

RELEMBRE OS DISCURSOS

O primeiro a discursar na reunião com os servidores, foi o senador Acir Gurgacz. Ele disse ser contra a proposta da reforma da previdência e que era necessário discutir o tema nas bancadas. “Reafirmo meu compromisso com o povo e não aceito o projeto de reforma do modo que está sendo apresentado”, completou.

Em segunda o deputado Lindomar Garçon confirmou que também votaria contra a aprovação da PEC por considerar prejudicial aos trabalhadores. “Algo tem que ser feito, mas sem comprometer os direitos dos trabalhadores. Voto contra essa PEC, mas com o compromisso de achar outros caminhos para resolver a crise que está instalada no país”, explicou.

O deputado Expedito Neto falou em seguida reafirmando o seu posicionamento. Ele lembrou que tem votado contra qualquer projeto que prejudique a classe trabalhadora, como fez na PEC do teto dos gastos. “O trabalhador não pode ficar desamparado”, salientou.

Na sequência, o senador Valdir Raupp reiterou o posicionamento manifestado, em uma reunião com sindicalistas, de que, embora seja da base aliada do governo Temer, não concorda com a PEC e por isso, se o texto chegar ao Senado, votará contra. Justificando a ausência da deputada federal Marinha Raupp, o senador apontou o posicionamento da esposa, “ela também não vota, Marinha já se comprometeu e não vota contra o trabalhador”, afirmou.

O deputado federal Marcos Rogério apresentou dados consistentes de que o governo Temer está equivocado na proposta enviada à Câmara. “O trabalhador irá contribuir, mas não terá como gozar do benefício. Essa reforma é uma proposta de confisco, um golpe ao trabalhador brasileiro”, disse o parlamentar, que também anunciou que vota contra a proposta.

Por último, o deputado federal Nilton Capixaba falou aos trabalhadores sobre a PEC 287, dizendo que não concorda com o retrocesso proposto pelo governo, por isso vota contra sua aprovação.

Departamento de Comunicação
Sindicato dos Auditores Fiscais de Tributos Estaduais de Rondônia (SINDAFISCO)