Conectado por

Rondônia, terça, 21 de maio de 2024.

Exame

Zelenski visita Alemanha em meio à preparação de sua contraofensiva


Compartilhe:

Publicado por

em

O presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, classificou a Alemanha, neste domingo, 14, como um “verdadeiro amigo” e “aliado confiável”, cujo governo anunciou um novo carregamento de armas para apoiar a contraofensiva ucraniana contra a Rússia.

Berlim se blindou para a primeira visita de Zelenski à Alemanha desde o início da invasão russa, há 15 meses. Nela, o ucraniano foi recebido pelo chefe do governo alemão, Olaf Scholz, com todas as honras militares.

“Gostaria de lhe agradecer, Olaf, sinceramente, assim como a todo o povo alemão, por cada vida ucraniana salva graças ao seu apoio”, disse Zelensky, em entrevista coletiva conjunta.


Continua após a publicidade
FACULDADE SAPIENS

Scholz garantiu que a Alemanha apoiará a Ucrânia pelo tempo que for necessário e especificou que o apoio de seu país, incluindo armas, chegou até agora a € 17 bilhões (cerca de US$ 18,5 bilhões, ou R$ 91 bilhões, na cotação atual).

Anunciado ontem, o novo pacote alemão inclui dezenas de tanques, veículos blindados, drones de vigilância e quatro novos sistemas de defesa antiaérea Iris-T. Para o vice-ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Andrij Melnyk, é insuficiente.

E, na noite de hoje, o presidente ucraniano visitará a França, para uma reunião com seu homólogo francês, Emmanuel Macron.

Aliado confiável

Zelenski, que diz não querer “atacar o território russo”, e sim, concentrar-se na libertação dos territórios ocupados, pediu a Scholz que apoie a entrega de aviões de combate, algo que a Alemanha se recusou a fazer até o momento.

Ele também se mostrou aberto a “discussões” de paz, mas “apenas” sob as condições ucranianas.

Hoje, o presidente ucraniano também se reuniu com seu homólogo Frank-Walter Steinmeier.

“Durante o período mais difícil da história moderna da Ucrânia, a Alemanha mostrou ser nossa verdadeira amiga e nossa aliada confiável”, agradeceu Zelenski, no livro de visitas da Presidência alemã.

Por ocasião de sua visita, Zelenski e seu ministro das Relações Exteriores, Dmitro Kuleba, participaram de uma reunião com vários ministros alemães, incluindo a ministra alemã das Relações Exteriores, Annalena Baerbock.

As relações entre Kiev e Berlim sobre ajuda militar ficaram tensas durante muito tempo, e a Alemanha foi muito criticada por não fornecer armas suficientes. Nos últimos meses, intensificou seu apoio.

Zelenski visitou Roma no sábado, onde se encontrou com a primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, e com o papa Francisco, no Vaticano, a quem agradeceu por sua “atenção” à “tragédia de milhões de ucranianos”.

Guerra de narrativas

Esta viagem ocorre em meio aos preparativos de uma contraofensiva do Exército ucraniano, enquanto Ucrânia e Rússia reivindicam avanços no “front” ao redor da cidade de Bakhmut.

Neste domingo, a Ucrânia anunciou que recuperou “mais de dez posições” russas nos subúrbios de Bakhmut (leste), epicentro dos combates há vários meses e onde se registra, nos últimos dias, um avanço ucraniano sobre os flancos das defesas russas.

“Hoje, nossas unidades recuperaram mais de dez posições inimigas ao norte e ao sul dos subúrbios de Bakhmut”, disse a vice-ministra da Defesa, Ganna Maliar, no Telegram, acrescentando que “intensos combates continuam sendo travados” nesta cidade devastada.

A Ucrânia está tentando recuperar terreno nas regiões de Donetsk e de Lugansk, assim como em Kherson e Zaporizhia, cuja anexação é reivindicada pela Rússia.

Também hoje, o chefe do grupo paramilitar russo Wagner, Yevgueni Prigozhin, voltou a criticar a inação do Exército regular russo em Bakhmut. Em uma nota à imprensa, acusou “as forças aerotransportadas” de não apoiarem seus homens.

No terreno, o Exército ucraniano disse no sábado que estava “avançando” no entorno de Bakhmut. A Rússia garantiu, por sua vez, que continua avançando nesta cidade devastada, em grande parte sob seu controle.

Neste domingo, o Ministério russo da Defesa afirmou ter atacado Ternopil e Petropavlivka, na Ucrânia, locais que albergavam armas ocidentais entregues a Kiev para repelir a ofensiva de Moscou.

Em um raro anúncio de baixas no campo de batalha, o Ministério da Defesa da Rússia informou, em um comunicado, que os comandantes Vyacheslav Makarov e Yevgeny Brovko morreram “heroicamente”.

Fonte: Revista Exame

Publicidade

EDIFÍCIO BUENOS AIRES
DJ90.COM.BR Brasil Digital google

Últimas notícias

Classificados

Compartilhe: