Conectado por

Rondônia, sexta, 03 de dezembro de 2021.



Exame

Guedes apoia privatização da Petrobras: Estatal não valerá nada em 30 anos


Compartilhe:

Publicado por

em


Continua após a publicidade
Colégio Sapiens

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a sinalizar, nesta segunda-feira, 25, apoio à privatização da Petrobras, como uma forma de extrair mais rápido o petróleo e gás natural brasileiros. Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro também sinalizou que a possibilidade já esteve no radar do governo.

“O presidente Bolsonaro falou que estudaria o que ia fazer com a Petrobras. Afinal de contas, se estamos com crise hídrica e tivemos escândalo de corrupção, são 30 a 40 anos de monopólio no setor elétrico e no setor de petróleo. E, se daqui a 10 ou 20 anos, o mundo inteiro migra para hidrogênio e energia nuclear, abandonando o combustível fóssil. A Petrobras vai valer zero daqui a 30 anos. E deixamos o petróleo lá embaixo com uma placa de monopólio estatal em cima”, ironizou, em cerimônia de lançamento do Plano Nacional de Crescimento Verde no Palácio do Planalto.


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Para Guedes, o objetivo é tirar o petróleo o mais rápido possível para transformar a riqueza em educação, investimentos e tecnologia. “Tem que sair mais rápido. Não adianta ficar uma placa dizendo que é estatal e o petróleo não sai do chão. E quando sai, sai com corrupção. Se houve a maior roubalheira da história no ‘Petrolão’ e agora o preço do petróleo só sobe, o que o povo brasileiro ganha com isso?”, questionou.

Ele destacou que as ações da Petrobras subiram 6% após o presidente Jair Bolsonaro dizer que iria estudar meios para privatizar a empresa. “Em mais duas ou três semanas, são R$ 15 bilhões criados. Isso não existia, não é tirar do povo. É uma riqueza que estava destruída, bastou o presidente dizer que ia estudar que o negócio saiu subindo. Não dá para dar R$ 30 bilhões para os mais frágeis (no Auxílio Brasil)?”, completou.

Na manhã desta segunda, em entrevista à rádio Caçula FM, do Mato Grosso do Sul, Bolsonaro, que já defendeu por várias vezes a privatização da estatal, afirmou que já tinha colocado sua equipe econômica para estudar o assunto, mas destacou as dificuldades em lidar com o tema: “Não é colocar na prateleira e quem dá mais leva embora.”

Na avaliação de Bolsonaro, privatizar a empresa não dá a garantia de que ela vai crescer. De acordo com o presidente, tirar o monopólio do combustível do Estado abre a possibilidade de os problemas com os combustíveis ficarem na mesma coisa “ou talvez pior”.

Gasolina e diesel mais caros

O chefe do Executivo voltou a falar hoje sobre os preços dos combustíveis após afirmar, na semana passada, que o País estava “na iminência de mais um reajuste”. “Vem reajuste de combustível? Vem. Queria que não viesse”, pontuou. Hoje, porém, ele disse que o aumento é uma “realidade” e, assim, “temos que enfrentar”.

Nesta segunda, a Petrobras confirmou a afirmação do presidente ao anunciar um reajuste de 9,2% no preço do óleo diesel e de 7% no da gasolina a partir desta terça. O preço médio de venda da gasolina A da Petrobras, para as distribuidoras, passará de R$ 2 98 para R$ 3,19 por litro. Já para o diesel, o preço médio de venda da Petrobras, para as distribuidoras, passará de R$ 3,06 para R$ 3,34 por litro.

Bolsonaro voltou a defender a mudança da cobrança do ICMS sobre combustíveis e disse que o aumento dos preços não é culpa do governo federal. “Quanto mais aumenta o combustível, melhor para os governadores. E quem paga a conta é o governo federal”, declarou. Diante do aumento dos preços no País, Bolsonaro destacou que não é “o malvado”. “Não quero aumentar o preço de nada, mas não posso interferir no mercado.”

Petrobras questiona governo sobre privatização

A Petrobras informou nesta segunda-feira que questionou o governo, por meio do Ministério da Economia, sobre a existência ou não de estudos para privatização da companhia, conforme fato relevante.

A indagação veio após notícias de que há estudos no governo sobre a venda de ações da estatal e perda da maioria do controle acionário da Petrobras. O assunto foi revelado inicialmente pela CNN Brasil.

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), confirmou à Reuters que há estudos sobre o tema. “Não tem decisão tomada. Existem estudos a respeito”, disse ele.

Na sequência, o ministro da Economia, Paulo Guedes, fez acenos à privatização da Petrobras ao sugerir “pensar ousadamente” sobre a empresa, e destacou que a mera menção a esta possibilidade pelo presidente Jair Bolsonaro foi o suficiente para fazer as ações da petroleira dispararem.

Em entrevista a uma rádio, pela manhã, Bolsonaro confirmou que a privatização da Petrobras “entrou no radar” do governo, mas disse que não se trata de um processo imediato.

Entenda como as decisões da Câmara e do Senado afetam seu bolso. Assine a EXAME.

Fonte: Revista Exame

Publicidade

educamaisbrasil educamaisbrasil

Últimas notícias

Facebook