Giardinni SBS
Conectado por

Plural Saúde

Geral

Com alta da ração, piscicultores se unem para melhorar mercado do peixe


Publicado por

em

Com alta da ração, piscicultores se unem para melhorar mercado do peixe

Continua após a publicidade

Depois de sucessivas altas no preço do milho e da soja, que impactaram diretamente no valor pago pela saca da ração, a Associação de Criadores de Peixes de Rondônia (ACRIPAR) reuniu piscicultores para discutir estratégias e evitar um colapso neste mercado, que já representa 3,27% do PIB de Estado.

Com cálculos baseados no valor da saca de ração em R$ 55,00, os piscicultores sugerem uma tabela de preço mínimo a ser praticado, para que o setor produtivo não absorva prejuízos. O ideal é que o tambaqui com peso entre 1,8kg e 2,2kg seja comercializado pelos produtores por R$ 6,80 o quilo; já o tambaqui acima de 2,9kg seja vendido por R$ 8,20 – a ACRIPAR esclarece que esse é o preço sugerido para ser pago ao produtor rural, e, não o preço final ao consumidor.


Continua após a publicidade

O presidente da ACRIPAR Francisco Hidalgo Farina destaca que a união dos piscicultores de Rondônia fortalece o setor e evita prejuízos para o setor produtivo, pois a margem de lucro não permite a absorção de altas em um dos principais insumos para a produção do peixe cultivado nas propriedades rurais de Rondônia.


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Farina destaca que diferente da pesca extrativista nos rios, o cultivo de peixe em tanques escavados precisa levar em consideração outros custos, sendo a ração um insumo de alta prioridade. “Estamos lutando pela sobrevivência de um setor (piscicultura) que já é importante para a economia de Rondônia e que temos muito para crescer. Nos últimos meses todas as proteínas de origem animal tiveram alta nos preços, mas o preço pago ao produtor rural pelo tambaqui permaneceu estável, sendo assim nós, os produtores, estamos absorvendo toda essa alta”, finaliza.

Para saber sobre o trabalho da ACRIPAR pode-se entrar em contato pelas redes sociais ou pelo telefone da associação 69 9951-9056.

Comentários do Facebook - Comente
Continuar leitura

Publicidade

Mais destaques

Facebook