DESTAQUES DO RESULTADO DE 1T19

  • LUCRO LÍQUIDO CONTÁBIL de R$ 3,92 bilhões, crescimento de 23% em relação ao 1T18.
  • LUCRO LÍQUIDO RECORRENTE de R$ 3,87 bilhões, crescimento de 6% em relação ao 1T18.
  • RECEITAS COM PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS avançam 2,3% e totalizam R$ 6,5 bilhões no trimestre.
  • RESULTADO OPERACIONAL evolui 1,9%, totalizando R$ 4,5 bilhões no trimestre.
  • ÍNDICE DE INADIMPLENCIA de 2,47% cai 0,44 p.p em comparação ao 1T18.
  • BASILEIA avança 1,8 p.p. em 12 meses e atinge 20,1%.

 

No primeiro trimestre de 2019, a CAIXA registrou lucro líquido contábil de R$ 3,9 bilhões, crescimento de 22,9% em 12 meses, impactado pela estabilidade da margem financeira, pela redução de 24,4% nas despesas de PDD, e pelo aumento de 2,3% nas receitas de prestação de serviços.

Com o começo da nova gestão, a CAIXA iniciou o processo de redirecionamento de sua estratégia, baseada nas premissas de ser um banco rentável e com foco na valorização da sociedade brasileira. Para tanto, foram definidos 7 eixos para os próximos anos, englobando: Meritocracia, Controle de Custo, Crédito, Governança, Monetização de Ativos, Mais Brasil e Legado.

A CAIXA tem seu maior foco negocial na habitação e está reforçando a atuação no setor de crédito imobiliário com recursos da poupança, o SBPE, e na habitação popular, e executou um realinhamento estratégico na carteira de crédito para grandes empresas, que reduziu 40% se comparada ao 1T18. A CAIXA está diminuindo a concentração dessas operações, garantindo uma carteira mais pulverizada e capaz de apoiar o crescimento de um maior número de empresas.

RESULTADOS E INDICADORES

Principais destaques do lucro líquido de R$ 3,9 bilhões:

resultado bruto da intermediação financeira atingiu R$ 9,6 bilhões no 1T19, evolução de 10,6% em 12 meses, influenciado, principalmente, pela redução de 24,4% nas despesas com provisão para créditos de liquidação duvidosa. A margem financeira se manteve estável no período, devido ao recuo das receitas de crédito em razão do menor saldo da carteira, e pelo crescimento do resultado com TVM e Derivativos.

As despesas com provisão para créditos de liquidação duvidosa totalizaram R$ 2,8 bilhões no 1T19, redução de 24,4% em 12 meses, reflexo do recuo de R$ 14,4 bilhões na carteira de crédito e pela mudança de sua composição, mais concentrada em créditos de baixo risco.

As receitas com prestação de serviços aumentaram 2,3% em 12 meses, chegando a R$ 6,5 bilhões até março de 2019, influenciadas pelo aumento de 19,8% nas receitas de serviços com fundos de investimento e 8,5% nas receitas de convênios e cobrança bancária.

As despesas administrativas apresentaram redução de R$ 849,3 milhões, em comparação ao 4T18, em linha com o realinhamento estratégico de diminuir em R$ 3,0 bilhões em despesas no biênio 2019-2020.

Entre outras ações de economia, estão previstas a devolução de 77 prédios comerciais utilizados pela CAIXA no País, que devem proporcionar uma economia estimada de R$ 200 milhões por ano. Além disso, está aberto novo PDV – Programa de Desligamento Voluntário, com público alvo de 3,5 mil empregados. A estimativa é que o programa gere economia anual de R$ 716,1 milhões com o payback em 16 meses.

resultado operacional alcançou R$ 4,5 bilhões, evolução de 1,9% em relação ao apurado no primeiro trimestre de 2018, proveniente dos ganhos com o aumento das receitas com serviços e da redução das despesas com PDD.

retorno sobre o patrimônio líquido médio (ROAE) registrou 15,8% em março de 2019, estável em relação ao obtido em março de 2018. O retorno sobre o ativo médio alcançou 1,0%, melhora de 0,15 p.p. em 12 meses.

Com esses resultados, o Índice de Eficiência Operacional alcançou 48,0% em 12 meses, leve crescimento de 0,4 p.p. O índice de cobertura das despesas administrativas evoluiu 2,5 p.p. e atingiu 79,4%, e o índice de cobertura das despesas de pessoal totalizou 123,0%, melhora de 3,4 p.p. em 12 meses.

Índice de Basileia atingiu 20,1%, superior ao mínimo de 11,0% regulamentado pelas Resoluções do Conselho Monetário Nacional nº 4.192 e 4.193, que normatizam no Brasil as recomendações do Comitê de Supervisão Bancária de Basileia relativas à estrutura de capital das instituições financeiras.

CARTEIRA DE CRÉDITO AMPLA ALCANÇA SALDO DE R$ 685,8 BILHÕES

A carteira de crédito ampla da CAIXA alcançou saldo de R$ 685,8 bilhões em março de 2019, redução de 2,0% em 12 meses, impactada essencialmente pela redução de 18,0% na carteira de crédito comercial para pessoas físicas e jurídicas.

Esse recuo foi motivado, principalmente, pelo reposicionamento estratégico no crédito, que prioriza a concessão para os segmentos ligados a microempresa e MPE, fomento de crédito imobiliário e ampliação das operações para a classe média através de recursos da poupança e aumento da carteira de crédito consignado.

CRESCE PARTICIPAÇÃO DA CAIXA NO MERCADO DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO

A CAIXA manteve a liderança no mercado de crédito imobiliário, com o ganho de 0,3 p.p. frente ao 1T18, totalizando 68,8% de participação. O saldo da carteira de crédito habitacional cresceu 3,3% em 12 meses e chegou a R$ 447,4 bilhões em março de 2019, dos quais R$ 269,9 bilhões foram concedidos com recursos FGTS e R$ 177,5 bilhões com recursos CAIXA/SBPE.

No mesmo período, foram contratados R$ 6,5 bilhões no Programa Minha Casa Minha Vida, o equivalente a 61 mil unidades habitacionais. Dessas novas moradias, 12,8% foram destinadas à FAIXA 1,5 do Programa, que se refere aos beneficiários com renda mensal familiar de até R$ 2,6 mil.

OPERAÇÕES DE SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA CRESCERAM 1,3% EM 12 MESES

As operações de infraestrutura obtiveram um incremento de 1,3%, alcançando saldo de R$ 83,7 bilhões em março de 2019. Por se configurar de grande relevância e incentivar o desenvolvimento econômico nacional, além de gerar relacionamento de longo prazo com os clientes pessoa jurídica, esse segmento está inserido no escopo de atuação estratégica da CAIXA.

CAIXA CRESCE 6,4% NO SALDO DE POUPANÇA E MANTEM SUA LIDERANÇA NESSE MERCADO

As captações totais apresentaram saldo de R$ 971,4 bilhões em março de 2019. Os depósitos à vista totalizaram R$ 28,0 bilhões, evolução de 1,3% em 12 meses. A poupança apresentou saldo de R$ 296,6 bilhões, alta de 6,4% em 12 meses. Com esse saldo, a CAIXA manteve-se na liderança do mercado, com 37,4% de participação.

Em março de 2019, a Empresa possuía 78,7 milhões de contas de poupança, incremento de 2,8 milhões de contas em relação ao registrado em março de 2018.

As letras imobiliárias, hipotecárias, financeiras e agrícolas totalizaram R$ 60,0 bilhões, redução de 43,7% em 12 meses, em linha com a estratégia de captação da CAIXA.

PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATINGE R$ 85,6 BILHÕES, 11,1% MAIOR QUE ANO ANTERIOR

A empresa encerrou o primeiro trimestre de 2019 com um patrimônio líquido de R$ 85,6 bilhões, um incremento de 11,1% em comparação com o mesmo período do ano anterior.

A variação de R$ 8,6 bilhões no patrimônio líquido em 12 meses foi decorrente, principalmente, da evolução de 41,0% nas reservas de lucro em função da maior geração de resultados.

LOTERIAS ARRECADAM R$ 3,3 BILHÕES

As Loterias CAIXA arrecadaram R$ 3,3 bilhões no 1T19, mantendo o patamar alcançado no 1T18. Dentre os valores arrecadados, cerca de R$ 1,2 bilhão foram transferidos, no período, aos programas sociais do Governo Federal nas áreas de seguridade social, esporte, cultura, segurança pública, educação e saúde, o que corresponde a 37,2% do total.

 

 

Envie sugestões,denúncias ou notícias para: (69) 9 99426406