Conectado por

Rondônia, segunda, 20 de setembro de 2021.



Exame

Máxima de zero grau no Brasil? Como Santa Catarina deve atingir essa marca


Compartilhe:

Publicado por

em


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Viver no Brasil sempre foi sinônimo de clima tropical — mas neste ano moradores do sul do país devem experimentar temperaturas que fogem dessa premissa. Na próxima semana, quem vive em Santa Catarina poderá experimentar uma sensação um tanto diferente: máxima de zero grau.

De acordo com alerta emitido nesta sexta-feira pela Defesa Civil de Santa Catarina, a nova onda de frio intenso deve chegar a partir da próxima quarta-feira, 28. O ápice da baixa temperatura será entre quinta-feira, 29, e sábado, 31. As regiões do Extremo Leste, Oeste, Alto e Médio Vale do Itajaí devem ter mínima de -4 °C e máxima de zero grau. Nas demais regiões, as temperaturas oscilam entre -9 °C e 5 °C.


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

As temperaturas tão baixas estão relacionadas a uma nova onda de frio intenso, que deve provocar a queda tão acentuada da temperatura.

A Defesa Civil afirma que a previsão pode sofrer mudanças, por se tratar de um evento relativamente distante, e que deve continuar emitindo novos alertas.

Na última semana, o órgão já havia emitido um alerta de frio intenso para as temperaturas registradas até esta quarta-feira, 21. Os termômetros chegaram a marcar 0 °C na Serra, Oeste e Vale do Itajaí. Na segunda-feira, as temperaturas chegaram a marcar -4.1 °C em Bom Jardim da Serra, na região serrana.

Entre as consequências do frio extremo, o governo de Santa Catarina aponta que a formação de geadas pode impactar de forma negativa a atividade agrícola e pecuária e, para contornar a situação, a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) traz algumas práticas a ser adotadas nesse período. Entre elas, estão: retardar a execução das podas de inverno o máximo possível; atrasar a aplicação de produtos promotores de brotação (quebra de dormência); aplicar produtos que provocam atraso nas brotações, como a calda bordalesa; e atrasar o plantio dos pomares novos o máximo possível.

Fonte: Revista Exame

Publicidade

GOVERNO DE RONDÔNIA educamaisbrasil educamaisbrasil

Últimas notícias

Facebook