Conectado por

Plural Saúde

Exame

Sente cada vez mais prazer em beber? Isso pode ser o começo de um transtorno


Publicado por

em

Um novo estudo da Universidade de Medicina de Chicago com jovens adultos que bebem há pelo menos 10 anos descobriu que os indivíduos que relataram a maior sensibilidade aos efeitos prazerosos e recompensadores do álcool no início do ensaio tinham maior probabilidade de desenvolver um transtorno por uso de álcool ao longo do tempo.

Além disso, quando testados novamente 10 anos depois, aqueles que se tornaram alcoólatras apresentaram níveis mais altos de estímulo, gosto e desejo de álcool — mais elevados em comparação com os níveis iniciais, sem sinais de tolerância a esses efeitos prazerosos.


Continua após a publicidade

A pesquisa, publicada no American Journal of Psychiatry, acompanhou uma grupo de 190 jovens adultos em um cenário de consumo excessivo de álcool em laboratório em três intervalos regulares ao longo de 10 anos.


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Os resultados indicaram que os indivíduos que desenvolveram um transtorno por uso de álcool são mais propensos a serem sensíveis aos efeitos do álcool — ou seja, eles experimentam uma resposta positiva mais forte — em vez de se habituarem à substância. Nesses mesmos indivíduos, o álcool teve um efeito menos sedativo para eles desde o início, não mudando com o tempo.

“Estudos anteriores examinaram a resposta de jovens consumidores de álcool e se concentraram principalmente nos efeitos prejudiciais do álcool”, disse Andrea King, professora de psiquiatria e neurociência comportamental da Universidade de Medicina de Chicago.


Continua após a publicidade

“O pensamento de que os alcoólatras não gostam dos efeitos do álcool ao longo do tempo é baseado em relatos de pacientes que entram em tratamento. Somente testando as mesmas pessoas por um período substancial de tempo, e analisando se as respostas ao álcool mudam com o tempo, fomos capazes de observar esta resposta elevada ao álcool em comparação ao placebo”.

O estudo mostrou que uma maior sensibilidade aos efeitos recompensadores do álcool pode prever quem terá um transtorno por uso de álcool ao longo dos seus 20 e 30 anos.

“Esses efeitos prazerosos do álcool aumentam de intensidade com o tempo — e não desaparecem — em pessoas que aumentam exponencialment o consumo de álcool ao longo do tempo”, disse King. “Isso nos diz que ter uma maior sensibilidade aos efeitos do álcool no cérebro coloca esses indivíduos em maior risco de desenvolver dependência. Tudo se encaixa em um quadro de busca persistente de prazer que aumenta a probabilidade de consumo excessivo de álcool com o passar do tempo”.

“Pensava-se que precisavam beber mais para finalmente obter o efeito desejado, mas esses dados não sustentam essa alegação. Eles obtêm o efeito desejável do álcool já no início e isso parece estimular o desejo por mais e mais álcool”.

Embora possa parecer relativamente intuitivo que os indivíduos que experimentam os efeitos prazerosos do álcool de forma mais intensa correm o maior risco de desenvolver problemas com a bebida, as descobertas de King vão contra as atuais teorias sobre o vício.

“Nossos resultados sustentam uma teoria chamada sensibilização por incentivo”, disse King. “Em resposta a uma dose intoxicante de álcool em laboratório, as avaliações de querer mais álcool aumentaram substancialmente ao longo da década entre os indivíduos que desenvolveram um transtorno mais grave. Além disso, a resposta hedônica — o quanto uma pessoa gostou dos efeitos —permaneceu elevado durante esse intervalo e não diminuiu. Este tem sido tradicionalmente o ponto crucial da tradição do vício — que os adictos não gostam da droga (álcool), mas não podem parar de usá-la.”

King espera que esses resultados possam ajudar a melhorar nossa compreensão de como alguns indivíduos têm mais vulnerabilidade para desenvolver transtorno por uso de álcool, enquanto outros permanecem como “bebedores sociais” ao longo de sua vida. Ela também aponta que os resultados podem ajudar a desenvolver melhores tratamentos e informar intervenções anteriores para indivíduos que podem estar com alto risco de desenvolver um vício.

“Já estou usando essas informações para falar sobre o vício com meus clientes de terapia”, disse King. “Pode ser frustrante para eles ver outras pessoas que podem tomar alguns drinques e simplesmente parar por aí. Eles não conseguem entender por que repetidamente parecem incapazes de fazer isso também, e eu digo que pode ser porque seu cérebro responde diferente ao álcool, o que torna mais difícil parar de beber depois que você começa. Mesmo com a pandemia atual, uma pessoa pode beber para lidar com o estresse ou reduzir sentimentos negativos, mas isso não significa que eles também não sentem os efeitos prazerosos de beber. Isso é mais preocupante para as pessoas que estão na zona de risco, pois essas respostas podem se intensificar à medida que progridem com o consumo excessivo de álcool.”

“Esta pode ser uma oportunidade para uma intervenção precoce, comparável a um exame preventivo de colesterol”, disse King. “Da mesma forma, conhecendo a reação aguda de uma pessoa ao álcool e como isso pode indicar o risco futuro de uma pessoa de problemas com a bebida, a pessoa pode decidir mudar seu modo de beber por conta própria ou procurar ajuda para evitar a progressão para o vício”.

Fonte: Revista Exame

Comentários do Facebook - Comente

Publicidade

Mais destaques

Facebook