Connect with us

Destaque

“O Flamengo gasta 200 milhões para contratar jogadores. E eu vou chorar a vida inteira pelo meu filho”

Published

on

Esmério não está sozinho em sua indignação. Outras famílias também dizem reviver a perda traumática dos filhos diante das escolhas tomadas por dirigentes do Flamengo, que recusaram a proposta extrajudicial mediada pela Defensoria do Estado e pelo Ministério Público do Rio. Pelo trato sugerido em uma câmara de conciliação, o clube pagaria 2 milhões de reais a cada família e uma pensão de 10.000 reais mensais até 45 anos completados pelas vítimas caso estivessem vivas.

As indenizações somariam um montante de 20 milhões de reais, equivalente à folha salarial do clube para bancar mensalmente elenco, comissão técnica e funcionários. A recusa, argumentam os defensores e promotores, contrasta com as cifras do time mais rico do país. Somente este ano, o Flamengo empenhou quase 200 milhões de reais em contratações de reforços. Os 55 milhões comprometidos para trazer da Europa o meia Gerson e o zagueiro Pablo Marí, anunciados cinco meses depois do incêndio no Ninho do Urubu, quitariam praticamente todo o acordo de reparação às famílias estipulado por órgãos públicos.

Segundo a força-tarefa formada por Defensoria e MP, que segue monitorando os desdobramentos da tragédia, a contraproposta feita pelo Flamengo ficou “aquém daquilo que as instituições entendem como minimamente razoável diante da enorme perda das famílias e demais envolvidos”. Já dirigentes rubro-negros avaliam que os valores propostos estariam “muito acima” da jurisprudência em casos semelhantes com vítimas fatais e preferiram abrir negociações individuais a partir de um teto comum. Até o momento, o clube fechou acordo com as famílias de todos os 16 jogadores sobreviventes, que foram reincorporados às categorias de base, e de três garotos que morreram no incêndio —em uma delas, apenas o pai, que é separado da mãe, aceitou a proposta.

“Por se tratarem, em sua maioria, de famílias de baixo poder aquisitivo, algumas acabaram concordando com os valores impostos pela diretoria do Flamengo para receber logo a indenização e por temerem que daqui cinco ou dez anos o clube não tenha a mesma saúde financeira para honrar acordos judiciais”, diz a coordenadora da Defensoria Pública do Rio, Cintia Guedes. Ainda em fevereiro, duas semanas depois do incêndio, o MP solicitou o bloqueio de 100 milhões de reais nas contas do clube a fim de garantir o pagamento das indenizações. O pedido nem sequer foi julgado, já que o Flamengo entrou com recurso dizendo que a medida é desnecessária. “Desde as primeiras conversas, ficou claro que a estratégia dos atuais dirigentes é postergar ao máximo uma definição sobre os pagamentos”, afirma Guedes. “As famílias tão cedo não virarão a página dessa tragédia. Vão remoer as feridas a cada etapa do processo judicial, que costuma demorar bastante.”

Cristiano Esmério remói seu desgosto a cada anúncio de nova contratação do Flamengo. “O recado que os dirigentes passam é que, para o clube, a vida dos nossos filhos não vale nada.” Christian era goleiro. Integrava a base flamenguista desde os 12 anos. Reconhecido como pegador de pênaltis, havia defendido uma cobrança na conquista do título do Campeonato Carioca sub-15 e figurava em convocações da seleção brasileira da categoria. Apesar da projeção do filho, que estava prestes a assinar seu primeiro contrato profissional com o Flamengo, o pai rechaça a hipótese de fazer leilão por indenizações, explicando que reivindica o mesmo valor definido para todas as famílias por Defensoria e MP, que não teve participação de advogados nem distinção por estágio de carreira das vítimas. “O Christian era uma criança como as outras que morreram no Ninho. Sua vida vale tanto quanto a delas”, diz Esmério. “Talvez ele nem se tornasse jogador. Poderia ser gari, médico ou pintor. E o que isso importa agora, que eu não tenho mais meu filho?”.

Viver entre o luto e a angústia

Pablo Henrique nasceu em uma família que respira futebol. O pai, o tio e o avô foram jogadores, assim como os primos Werley e Nathan, revelados pelo Atlético-MG. Jogando de zagueiro, ele trilhava os mesmos passos na base rubro-negra até a trajetória promissora ser interrompida pelo fogo. Tinha 14 anos. Depois de sua morte, os pais Uedson Cândido e Sarah Cristina viram a rotina ruir na pequena cidade de Oliveira, interior de Minas Gerais. Caminhoneiro, Uedson parou de dirigir porque só consegue dormir à base de remédios. Sarah era cozinheira em um asilo. As panelas no fogão começaram a queimar, tamanho o abalo pela perda que a mergulhou num quadro de depressão. “Sem o Pablo, eu acho que nunca mais serei a mesma pessoa”, diz a mãe, que largou o emprego e hoje recorre ao SUS para fazer terapia.

Sarah e Uedson, em uma das últimas fotos com o filho Pablo Henrique.
Sarah e Uedson, em uma das últimas fotos com o filho Pablo Henrique.

Julgam não ter recebido o apoio que esperavam do Flamengo. “Disseram que colocariam psicólogo à disposição, mas ficou só na promessa”, afirma Uedson. A última vez que viram o filho foi no domingo anterior à tragédia. Ainda em dezembro, ele havia retornado para casa com caxumba – outros oito jogadores acabaram contraindo o vírus em um surto da doença na base do clube. A volta aos treinos no Rio de Janeiro durou apenas cinco dias. Para Sarah, não existe dor mais profunda que “ver partir alguém que só deveria partir depois de nós”. Uedson torcia para que o Dia dos Pais passasse logo, porque sabia que seria “sofrido demais”. Um sentimento compartilhado por Cristiano Esmério, às vésperas da data que o filho jamais esqueceu, nem quando estava concentrado para os jogos. “Meu primeiro Dia dos Pais sem ele. E vai chegar Natal, Ano Novo, aniversário… O primeiro de muitos.”

Na madrugada do incêndio, Christian só dormiu na concentração porque queria comemorar o aniversário do colega Arthur Vinícius, que completaria 15 anos justamente no dia em que foi enterrado em Volta Redonda. Durante o sepultamento, amigos e familiares cantaram “parabéns pra você”. A mãe Marília Barros batizou o único filho em homenagem ao maior ídolo da história do Flamengo, Arthur Antunes Coimbra, o Zico. Ficou viúva quando ele tinha 5 anos – o pai foi assassinado a tiros enquanto o carregava no colo. Mas ela não media esforços para ajudar a realizar seu sonho de se tornar jogador. “Perdi meu grande companheiro. E sei que fiz de tudo por ele. Isso é o que me consola”, diz Marília, que tatuou a imagem do filho vestido com o uniforme do Flamengo no braço esquerdo.

Histórico

Um curto circuito no ar condicionado teria provocado as chamas que se espalharam rapidamente pela estrutura inflamável das divisórias entre contêineres que compunham o alojamento da base do Flamengo, aponta o laudo técnico da Polícia Civil sobre a tragédia. O centro de treinamento não tinha alvará de funcionamento nem certificado do Corpo de Bombeiros. A estrutura que pegou fogo não constava no projeto enviado à Prefeitura para o licenciamento de edificações. Além disso, o clube já havia sido multado 31 vezes pelo poder municipal por manter o CT aberto de forma irregular. A primeira versão do inquérito policial determinava o indiciamento de oito pessoas por homicídio doloso (quando se assume o risco de matar), incluindo dois engenheiros do Flamengo e o ex-presidente Eduardo Bandeira de Mello.

Por orientação do Ministério Público, a polícia realiza novas diligências e tem até o fim deste mês para concluir o inquérito. Famílias que não chegaram a acordo com o clube esperam o documento para ingressar com processos na Justiça. Uma ação coletiva não está descartada. Em fevereiro, quando a diretoria ainda negociava por meio da câmara de conciliação, conselheiros do Flamengo insinuaram que familiares das vítimas buscam ganhar dinheiro em cima da tragédia. “Tem gente no clube que acha que nós somos os culpados pelo que aconteceu com nossos filhos”, diz Uedson Cândido. Para Cristiano Esmério, há uma tentativa por parte de dirigentes de jogar a torcida contra as famílias. “Não temos nenhum problema com a instituição, mas sim com as pessoas que estão no comando e desrespeitam nossa dor. Meu filho saiu de casa porque o Flamengo veio buscá-lo. Estava sob a responsabilidade do clube, que queria lucrar com seu talento no futuro. Ele era visto como uma mercadoria.”

A principal queixa das famílias, além do acordo rejeitado pelo clube, diz respeito à conduta da diretoria. Esmério ficou sabendo da tragédia pela televisão. Diz não ter sido comunicado por nenhum dirigente nem recebido suporte durante a identificação dos corpos carbonizados no IML. Precisou buscar em um dentista particular radiografias que pudessem ajudar no reconhecimento por arcada dentária. Segundo ele, o Flamengo não tinha os exames de Christian. O pai conta que só se encontrou uma vez com o presidente Rodolfo Landim, em contato restrito a um aperto de mão como gesto de condolência.

Pai de Christian guarda troféus e uniformes usados pelo filho.
Pai de Christian guarda troféus e uniformes usados pelo filho.FERNANDO SOUZA

Landim despertou a indignação de familiares das vítimas ao anunciar licença do cargo por duas semanas, menos de um mês depois do incêndio, para uma viagem de lazer. No mesmo período, durante o Carnaval, o vice jurídico Rodrigo Dunshee de Abranches se licenciou por seis dias. Ele havia representado o presidente na reunião com as famílias no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, mas deixou o encontro antes de seu desfecho. “Essa frieza da diretoria do Flamengo é o que machuca a gente”, diz Cristiano Esmério. Em um rápido pronunciamento no dia do incêndio, Rodolfo Landim descreveu o acontecimento no Ninho do Urubu como um acidente. Três semanas após as mortes no CT, o presidente concedeu a única entrevista coletiva para tratar do caso, em que assegurou a intenção do Flamengo de “buscar o mais rapidamente possível uma decisão que seja justa” ao falar sobre as indenizações.

Em 2015, o clube rubro-negro foi alvo de uma ação civil pública do MP que denunciava as “precárias condições oferecidas aos atletas da base”, que pedia a interdição do centro de treinamento. Ao longo do processo, o Flamengo resistia em assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Trabalho. As investigações começaram em 2012, depois que um goleiro de 14 anos caiu na vala de uma obra inacabada do CT e precisou levar 33 pontos na perna esquerda.

Na época, fiscais descobriram irregularidades como jogadores alojados sem autorização dos pais e até um adolescente diagnosticado com anemia falciforme que ficou quase dois anos sem visitar a família. Também constataram que a casa onde garotos dormiam antes de serem abrigados na estrutura de contêineres estava com extintores de incêndio vencidos. Em 11 laudos apresentados pelo clube às autoridades, nenhum deles especificava a existência do alojamento que pegou fogo. “Aquele espaço era invisível aos órgãos públicos”, afirma a promotora de Justiça, Ana Cristina Huth Macedo. “O clube sempre fez de tudo para dificultar os trabalhos de fiscalização.”

Por ordem judicial, o CT acabou impedido de receber crianças e adolescentes após o incêndio. O Ministério Público considerou que “a omissão do clube, aliada ao grave ocorrido, demonstra um desrespeito reiterado às determinações de interdição das referidas instalações.” O Flamengo só conseguiu reverter a decisão em maio, quando, finalmente, firmou o TAC com as autoridades, disponibilizando uma nova estrutura aos jogadores da base. Anualmente, o clube investe cerca de 20 milhões de reais na formação de atletas. Por isso, dirigentes entendem que o incêndio se tratou de uma “fatalidade”. “O que aconteceu foi uma tragédia, mas com responsáveis”, afirma Esmério. “Mesmo com todo dinheiro, o Flamengo não foi capaz de cuidar do meu filho.”

A diretoria rubro-negra informa que ofereceu apoio psicológico a todas as famílias, assim como disponibilizou exames médicos e odontológicos dos atletas para auxiliar os trabalhos de identificação das vítimas. Ainda reforça que mantém o pagamento da ajuda de custo prometida aos genitores, no valor de 5.000 reais por mês, enquanto não houver definição das indenizações. Sobre a recusa ao acordo proposto por Defensoria e MP, o clube manifesta que resolveu discutir individualmente para atender às necessidades de cada família e “segue aberto para novas negociações”.

Publicidade

autopecas-online.pt