BITCOINS 2019
PublicidadeDJ90

Você atualmente possui o Bitcoin e está se perguntando o que vai acontecer com seu preço no futuro? Ou já ouviu falar sobre o assunto e gostaria de saber se é um bom investimento? Se a resposta for sim, vale a pena ter uma visão rápida do que realmente se trata o Bitcoin e o que deve ser levado em conta antes de investir, além de uma previsão do mercado para os próximos anos.

Bitcoin – moeda eletrônica

Em 2009 um programador (ou grupo de programadores) de identidade desconhecida, sob pseudônimo de Satoshi  Nakamoto, lançou um projeto em um fórum na internet: “Bitcoin: a peer to peer electronic cash system” (em tradução livre, “Bitcoin: um sistema de dinheiro eletrônico entre pessoas físicas”). Com o símbolo ₿ e abreviatura BTC ou XBT (padronização para “moedas supranacionais”, como o ouro – XAU) a criptomoeda é uma forma de dinheiro eletrônico, considerada a primeira moeda digital do mundo sem vínculo com o sistema bancário tradicional.

As transações financeiras constituem um sistema alternativo, verificado pelos usuários e gravadas em um banco de dados chamado de ‘blockchain’. A estrutura da rede não prevê uma entidade administrativa central, o que torna impraticável qualquer tipo de autoridade financeira ou governamental controlar valores ou induzir à inflação com a produção de mais criptomoeda. Todavia, a movimentação especulativa de oferta e demanda influenciam na oscilação de seu valor cambial.

A corrente de otimismo em torno do Bitcoin, no final de 2017, o elevou ao status de “ouro digital”, devido ao seu êxito como reserva de valor. Mas, o preço da moeda eletrônica fechou o ano de 2018 com uma queda de 70%. Isso deixou o mercado financeiro um pouco confuso. Assim, dez anos após sua criação, depois de passar por grandes oscilações e ganhar fama mundial, o que se pode esperar do Bitcoin para o futuro? Será possível fazer compras no mercado, pagar impostos ou contas usando a criptomoeda?

Mercado de Bitcoin

Em alguns países do mundo, o uso do bitcoin como moeda de troca já foi regulamentado e é possível realizar compras em diversos estabelecimentos. No Japão, por exemplo, uma lei que entrou em vigor no início de 2017 reconhece o bitcoin e outras moedas virtuais como forma de pagamento, embora as normas locais para esse tipo de transação financeira tenham se intensificado. Já em outras nações, a aceitação da criptomoeda ainda é restrita, sendo comum somente entre usuários da internet.

O Bitcoin alcançou uma valorização de 1.300% em 2017. Após esse ‘boom’, houve um grande aumento no mercado de moedas digitais, ancorado também pela normatização do Japão e pelas expectativas de uma ampliação ainda maior. Mas o ano de 2018 não correspondeu ao esperado -, foi marcado pela volatilidade e pela queda dos preços, com registros de quedas.

Perspectivas futuras

Sob a ótica dos dois últimos anos, a previsão, a curto prazo, sobre o mercado do Bitcoin, mesmo para analistas experientes, se tornou desafiadora. A aposta é que o segmento tenha efeitos colaterias positivos de volatilidade e que sejam definidas regras mais claras de negociação e identificação dos donos da criptomoeda. Na esfera nacional, o Banco Central do Brasil e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) estudam formas de regulamentar o mercado de moeda eletrônica no país.

Especialistas acreditam que com as precauções e com o aumento da segurança, o mercado financeiro de criptomoedas se tornará mais estável. Entusiastas estão prevendo um aumento significativo para 2019. Entre eles, Mike Novogratz, fundador da Galaxy Digital e ex-sócio da Goldman Sachs, em entrevista ao programa Financial Times, disse que em 2019 as criptomoedas, principalmente o Bitcoin, terão um período de reversão, quando “os preços vão subir novamente”.

O Financial Times rebateu a afirmativa de Novogratz com uma citação de Tim Swanson, fundador da empresa de consultoria Post Oak Labs: “Para ele dizer que algo vai acontecer com o preço, ele está tentando prever sobre o que não tem influência”.

De fato, para esse tipo de análise, é preciso muito mais do que tendências do passado para tecer uma previsão concreta. Supõe-se uma trajetória com flutuações de preço para o Bitcoin até o final de 2019. A maioria dos analistas dizem que isso é normal e que não afeta de forma alguma as perspectivas de longo prazo.