Apple começa a cobrar em real por filmes, música, apps e iCloud no Brasil

Como prometeu no fim do ano passado, a Apple começou a cobrar nesta semana seus serviços virtuais no Brasil em real, e não mais em dólar como fazia até então. Os novos preços já podem ser conferidos na App Store, no Apple Music e no iCloud.

 

Aplicativos na App Store, músicas e filmes no iTunes e livros no iBooks Store agora têm preços cobrados na moeda brasileira. Isto significa que os usuários podem pagar por tudo isso usando cartões de crédito nacionais, e não mais obrigatoriamente com cartões internacionais.

 

Os preços são uma conversão quase direta do valor em dólar. O serviço de música por streaming Apple Music, por exemplo, agora custa R$ 16,90 no plano individual (antes era US$ 4,99). Estudantes pagam R$ 8,50, enquanto o plano familiar custa R$ 24,90.

 

O iCloud, por sua vez, agora custa R$ 2,90 por mês em troca de 50 GB de armazenamento em nuvem (antes era US$ 0,99). Quem quiser 200 GB, paga R$ 8,90 por mês; e quem preferir 2 TB, pode assinar o serviço pagando R$ 29,90 ao mês.

 

Vale lembrar também que, já que os preços estão em reais, não é mais preciso pagar o temido imposto sobre operações de crédito (IOF), o que também ajuda a reduzir o valor das compras, e nem se preocupar com a flutuação do dólar em relação ao real, já que os preços passam a ser fixos.