Conectado por

Rondônia, quarta, 01 de dezembro de 2021.



Jurídicas

MP ajuíza Ação Civil Pública para que Prefeitura de Rolim de Moura implante controle de jornada de trabalho de servidores


Compartilhe:

Publicado por

em


Continua após a publicidade
Colégio Sapiens

O Ministério Público de Rondônia, por meio da Promotoria de Rolim de Moura, ajuizou no Poder Judiciário Ação Civil Pública em que requer que a Prefeitura daquele Município implante mecanismos eficientes e eficazes de controle de jornada dos servidores municipais, com indicação precisa de horário de entrada, saída e da validação diária pelo chefe imediato.

A ação foi proposta após o MP ter instado, recomendado e advertido o Município para a necessidade de implantação de sistema de ponto eletrônico. Contudo, ao longo de quatro anos, salvo alguns pequenos avanços, o ente não se dispôs a dar início ao cumprimento a uma obrigação básica e salutar que é aferir a regularidade do cumprimento de horas trabalhadas pelos servidores.


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Na ação, o MP destaca terem sido realizadas diversas diligências junto a órgãos municipais, em que foram identificadas unidades com ponto instalado, mas sem uso ou sem operação.

Para o Ministério Público, o descumprimento de jornada de trabalho pelos servidores públicos provoca prejuízos ao erário, aos usuários dos serviços e atividades prestadas pela administração pública, pois gera o recebimento de valores, em prejuízo ao erário, sem a contraprestação de serviço, prejudicando toda a população local.

O MP ressalta que, por não controlar a frequência e pontualidade dos servidores municipais, o Município permite que o interesse privado de tais agentes prevaleça sobre o interesse público, exatamente o oposto do que deveria ocorrer.

Diante dos fatos, o Ministério Público requer que a ação seja julgada procedente, sendo o Município Rolim de Moura condenado à obrigação de fazer (art. 3º, da Lei nº 7.347/85), em implantar mecanismos eficazes e confiáveis de controle de jornada de seus servidores, ressalvada a não obrigatoriedade dessa medida aos casos legal e justificadamente determinados (agentes políticos, agentes comunitários de saúde da zona rural, etc). Também requer que seja implementada uma rotina de registros e de justificação de modo efetivo e real, com a indicação precisa de horário de entrada, saída e da validação, diária, pelo chefe imediato, quando for o caso.

Publicidade

educamaisbrasil educamaisbrasil

Últimas notícias

Facebook