Conectado por

Rondônia, sexta, 22 de outubro de 2021.



Exame

Alta de insumos e de juro não deve afetar otimismo do mercado imobiliário


Compartilhe:

Publicado por

em


Continua após a publicidade
Colégio Sapiens

O segundo semestre já começou, mas as perguntas sobre o que esperar do mercado imobiliário brasileiro neste novo ciclo têm sido feitas desde o início da pandemia. Não é para menos. O setor vem apresentando viés de recuperação, superando expectativas e batendo recordes de vendas. Quando, no início da crise sanitária, se esperava uma queda livre, ele decolou.

O segmento imobiliário, por definição, é cíclico. De acordo com inúmeros dados que comprovam esse aquecimento nos últimos meses, estamos em um ciclo vivo e saudável. Conforme indicadores da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (ABRAINC), desde fevereiro de 2020, é a primeira vez que o setor retoma a alta simultânea de vendas e lançamentos em 12 meses.


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

A baixa taxa de juros cobrada nos financiamentos habitacionais e a queda gradual da Selic favoreceram esse cenário. Atrelado a isso, o trabalho remoto fez com que muitas pessoas passassem a olhar para suas residências de forma mais minuciosa e a reconhecer o imóvel como um lugar muito importante em nossas vidas. O que antes era lazer passou a ser também um local de trabalho. As fronteiras ficaram mais borradas e cresceu, perpendicularmente, a busca por plantas maiores.

Apesar dos bons resultados obtidos no primeiro semestre deste ano, a alta do preço dos insumos de construção civil tem ligado o sinal de alerta e pode frear construções e, consequentemente, lançamentos de empreendimentos. Desde o início da pandemia, o aumento no custo de aço, alumínio, cimento e madeira obrigou incorporadoras e construtoras a reajustarem os preços ao consumidor. Todo o setor se viu, então, diante do desafio de cumprir os cronogramas de entrega das obras.

Segundo a CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), 57,1% das companhias do setor apontaram a falta ou o alto custo dos insumos como um problema no primeiro trimestre deste ano. Essa preocupação tem crescido a tal ponto que a elevação no preço dos materiais deve continuar impactando diretamente o setor no segundo semestre.

Não é segredo que o mercado espera uma alta na Selic, impactando, assim, o financiamento de imóveis. O boletim Focus do Banco Central projeta que a taxa chegue a 8,25% até o final de 2021, obrigando o mercado imobiliário, que estava pegando altitude, a puxar um pouco o freio de mão. Contudo vale lembrar que em governos anteriores o setor surfou uma forte onda de alta nas vendas nos tempos em que a taxa foi artificialmente reduzida para esse mesmo patamar.

Costumo dizer que, no setor imobiliário, as mudanças são constantes e abruptas. Apesar de alguns obstáculos no caminho, o mercado segue aquecido porque ainda há uma crescente demanda por habitação no país. Claro que as expectativas positivas dependem da melhora da economia para que se confirmem. Como sou um eterno otimista, acredito que o mercado continue a ser a bola da vez entre os investimentos.

*Antonio Setin é fundador e presidente da Setin Incorporadora.

Fonte: Revista Exame

Publicidade

GOVERNO DE RONDÔNIA educamaisbrasil educamaisbrasil

Últimas notícias

Facebook