Conectado por

Rondônia, domingo, 26 de setembro de 2021.



G1

Gasolina se mantém a R$ 6,07, mas etanol sobe 3% em uma semana e já custa R$ 5,38 em Porto Velho


Compartilhe:

Publicado por

em


Valor médio da gasolina na capital segue estável desde 28 de agosto. Diesel teve alta na última semana, assim como etanol. Valor da gasolina em Porto Velho não teve ajuste em setembro
Jonral Nacional/ Reprodução
O preço médio da gasolina se manteve a R$ 6,07 pela terceira semana seguida nos postos de Porto Velho, segundo a nova pesquisa divulgada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
R$ 6,07 é o valor médio da gasolina na capital desde 28 de agosto. O valor máximo encontrado nas bombas também segue sem alteração no mesmo período: R$ 6,09.
DE QUEM É A ‘CULPA’ DO PREÇO DA GASOLINA: por que o preço dos combustíveis está subindo
Enquanto a gasolina está estável, o valor do etanol subiu 3,26% na última semana em Porto Velho, saindo de R$ 5,21 para R$ 5,38 (em média).
No acumulado do ano, o etanol ficou 39% mais caro para o motorista da capital (veja no gráfico abaixo).
Outro combustível que teve aumento de preço na última semana foi o diesel: o litro saiu de R$ 4,83 para R$ 4,89, em média.
Composição preço combustível
Como a Petrobras é dominante no mercado, a influência do preço da gasolina começa com a empresa, mas também há a venda de empresas privadas.
O repasse dos reajustes nas refinarias aos consumidores finais nos postos não é garantido, e depende de uma série de questões, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de etanol anidro e biodiesel
Além de impostos (ICMS, PIS/Pasep e Cofins, e Cide), a diferença entre os preços das refinarias para o preço cobrado do consumidor sofre influência dos lucros do produtor ou importador, custo do etanol anidro (no caso da gasolina) e do biodiesel (no caso do diesel) e margens do distribuidor e revendedor.
A maior fatia do preço da gasolina é formada por impostos. Somados, o ICMS, o PIS/Pasep e Cofins somam 44% do valor final, sendo 29% para o primeiro e 15% para os demais. O que fica para a Petrobras (a realização ) são 29% do preço final.
Com a alta do preço da gasolina nas bombas dos postos, o governo de Rondônia informou que o imposto sobre o combustível não é reajustado há cinco anos no estado (e nem reduzido).

Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Fonte: G1 Rondônia

Publicidade

GOVERNO DE RONDÔNIA educamaisbrasil educamaisbrasil

Últimas notícias

Facebook