RONDONIA RO
Conectado por

Rondônia, terça, 03 de agosto de 2021.



Exame

CSU lança unidade de negócios e entra em mercado de R$ 8 bilhões


Compartilhe:

Publicado por

em


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Uma das tendências da economia é a multiplicação de empresas dos mais variados ramos oferecendo serviços e produtos financeiros como contas digitais, cartões, adquirência e empréstimos. São atividades que, poucos anos atrás, eram prerrogativa de grandes bancos e instituições financeiras especializadas, mas que ganham tração com a redução do custo de tecnologia e mudanças regulatórias como o Open Banking, que já está em vigor.

De olho nessa tendência, uma das empresas mais tradicionais do setor, com atuação em processamento de cartões e soluções de meios de pagamento, decidiu investir em uma nova frente de negócios: a CSU (CARD3) lança a mercado a Blue C Tehcnology, uma unidade que vai atuar com BaaS (Banking as a Service), ou seja, providenciar a estrutura para que empresas dos mais variados setores e perfis possam oferecer serviços financeiros, em uma solução white label.


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

A informação da nova unidade acaba de ser informada ao mercado, nesta noite de terça-feira, 22, por meio de fato relevante.

Em paralelo, será lançado em breve um marketplace de serviços financeiros, por meio de parcerias com outras instituições, de bancos a fintechs. O investimento previsto deve chegar a 150 milhões de reais.

Quer inovar no seu negócio? Aprenda com quem conhece na prática: os fundadores da ACE Startups

A decisão estratégica de diversificação das fontes de receita, já anunciada no ano passado, já começa a ser precificada nas ações, que estão em trajetória de alta há pelo menos um ano e meio. Neste ano, a valorização da small cap é de 55%.

“É um negócio que tem o potencial de se tornar muito rapidamente uma unidade autônoma em termos societários, permitindo que a CSU possa capturar muito valor”, disse Ricardo Leite Ribeiro, diretor-executivo de Relações com Investidores da CSU, à EXAME Invest. A referência, portanto, é já a um potencial e futuro IPO da unidade.

Segundo ele, a valorização das ações nos últimos meses é um reconhecimento de investidores ao posicionamento da empresa em produtos e soluções digitais e a uma série de novidades, como o primeiro investimento em M&A (fusões & aquisições), na fintech Fitbank, anunciado no fim de março. Mas, para Ribeiro, “muito pouco” do potencial de crescimento implícito com a nova unidade de negócios foi incorporado ao preço das ações.

Nas estimativas da CSU, o mercado de Banking as a Service deve chegar a 8 bilhões de reais em um período de cinco anos, o que ajuda a explicar as motivações da companhia em abrir uma nova frente de negócios.

“A nossa visão é que o open banking e o banking as a service serão tendências majoritárias e dominantes, seja para a área de pagamentos como de crédito”, afirma o executivo com 20 anos de carreira na CSU.

O open banking, que permite o compartilhamento das informações de cada cliente com a sua devida autorização, abre caminho para que empresas de diferentes setores possam ofertar serviços e produtos customizados.

Para Alexandre Pinto, recém-chegado à CSU para ser o diretor da Blue C Technology, a oferta de serviços financeiros por empresas de outros setores que não as redes varejistas e de e-commerce representa a terceira onda de inovação do sistema financeiro no país, mais direcionada para o B2B, ou seja, para o relacionamento entre empresas.

A primeira onda, segundo ele, foi o nascimento e o crescimento de fintechs “puras”, como Nubank e PicPay. A segunda teve a oferta de serviços financeiros por empresas de e-commerce e varejo como Mercado Livre e Magazine Luiza (MGLU3).

“Há muitas oportunidades para a indústria, empresas de seguros, concessionárias de serviços públicos, grupos educacionais etc. Essa operação pode se tornar um dos drivers de crescimento da CSU”, afirma Pinto.

A avaliação é que a demanda pode crescer não só pelo interesse estratégico mas por causa de uma mudança regulatória recente: a determinação para que instituições de pagamento contem com autorização prévia para que possam operar, diferentemente do que aconteceu nos anos anteriores.

A nova unidade de negócios também deve permitir o cross sell da CSU para seus clientes, ou seja, a venda cruzada de outros produtos. As demais linhas de atuação são as de meios de pagamento, fidelidade e e experiência do consumidor.

“Existe uma sinergia muito grande do Banking as a Service com o que já trabalhamos. É difícil imaginar uma conta digital sem um cartão associado. São ofertas que devem caminhar em paralelo”, afirma Pinto.

O diretor da nova unidade de negócios afirma que a expertise que a companhia conta em soluções de meios de pagamento e em outras áreas deve ser o diferencial para os clientes em um mercado com múltiplos players.

Fonte: Revista Exame

Publicidade

Últimas notícias

Facebook