RONDONIA RO
Conectado por

Rondônia, quinta, 05 de agosto de 2021.



Destaque

Marcos Rogério comemora projeto de privatização da Eletrobrás; Caso siga o exemplo da Ceron em Rondônia tarifas devem aumentar


Compartilhe:

Publicado por

em

Marcos Rogério comemora projeto de privatização da Eletrobrás; Caso siga o exemplo da Ceron em Rondônia tarifas devem aumentar

Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Contrariando muitos o Senador de Rondônia Marcos Rogério em release divulgado pela assessoria de imprensa no final da tarde desta quinta-feira (17/06), comemora o projeto de privatização da Eletrobrás, em Rondônia os consumidores reclamam diariamente das tarifas de energia e do serviço prestado depois que a CERON foi privatizada. 

“De acordo com o relator, Marcos Rogério, a privatização da estatal vai reduzir a conta de luz e garantir segurança energética ao país”

O plenário do Senado Federal aprovou, nesta quinta-feira (17/06), o Projeto de Lei de Conversão (PLV) 7/2021, oriundo da Medida Provisória 1031/2021, que prevê a privatização da Eletrobras. De acordo com o relator da MP e vice-líder do Governo no Congresso, Marcos Rogério (DEM-RO), a MP representa um marco histórico no desenvolvimento do setor elétrico brasileiro. “O texto aprovado foi construído levando em consideração a contribuição de senadores, associações, agência reguladora e ministérios, além do trabalho já desenvolvido na Câmara dos Deputados. O objetivo é garantir segurança energética ao país, diversificação da matriz elétrica e uma conta de luz mais barata para os consumidores”, destacou o senador.

Relacionadas:


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Deputados entregam relatório da CPI da Energisa ao senador Marcos Rogério

Energisa abre vagas para estágio em três áreas em Porto Velho

MP aprovada na Câmara dos Deputados, com apoio de grande parte da bancada de Rondônia, cria uma “Energisa Nacional” 

De acordo com o relator da MP, apesar de ainda ser a líder do setor elétrico brasileiro, entre 2016 e 2020, a capacidade de geração da Eletrobras aumentou somente 7,6% contra 16% da capacidade total de geração do Brasil. “As projeções apontam que o consumo de energia elétrica no Brasil deve crescer 3,3% ao ano até 2030. Diante dessa perspectiva, a incapacidade da Eletrobras expandir sua geração elétrica no mesmo ritmo do consumo nacional coloca em risco o abastecimento do país no médio e longo prazos. Portanto, a privatização será primordial para garantir o desenvolvimento do país e a ininterrupção da concessão de energia para a população”, ressaltou Marcos Rogério.

Ainda segundo Rogério, a MP prevê mecanismos importantes que vão permitir a redução da tarifa de energia elétrica para os brasileiros. Um deles prevê aportes da Eletrobras na Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), o principal encargo do setor elétrico e o que mais pesa na conta de luz dos brasileiros. Além disso, a Companhia assumirá o risco hidrológico, absorvendo o encarecimento da energia elétrica nos momentos de escassez hídrica. “Somados todos os efeitos econômicos da MP, a redução das tarifas de energia elétrica será, na pior situação, de 5,1%, e, na situação mais favorável, de 7,365%. Não há, portanto, fundamento nas afirmações que a Proposta provocará aumento da conta de luz”, disse.

Outro fator importante que deve trazer impactos positivos para a modicidade tarifária, diz respeito ao acionamento das térmicas a gás. O projeto prevê a contratação de 8 megawatts de geração termelétrica movida a gás natural nas regiões norte, nordeste, centro-oeste e sudeste. “No modelo que propomos, haverá a redução no custo de energia térmica, que passa de R$ 1000 para R$ 367, em média. Uma queda de mais de um terço no valor que pagamos hoje. Além disso, teremos uma energia mais limpa e mais renovável, já que teremos mais térmicas movidas a gás natural”, explicou.

O texto também traz garantias para os servidores da estatal. O Executivo poderá optar pelo aproveitamento de empregados desligados da Eletrobras, até 12 meses após a privatização, em outras empresas públicas federais, desde que os cargos sejam de mesma complexidade e com salários similares.

A desestatização da Eletrobras será feita por meio de um processo de capitalização. “A proposta prevê que o Governo Federal reduza sua participação para menos de 50% e, assim, deixe de ser o controlador, embora continue acompanhando de perto os rumos da Companhia. Além disso, nenhum acionista, isoladamente ou associado em bloco, poderá exercer votos em número superior ao equivalente a 10% do capital votante da empresa. Dessa forma, evita-se que grupos empresariais ou investidores assumam o controle absoluto da Eletrobras”, explicou Marcos Rogério.

Como o texto sofreu alterações a matéria volta para a Câmara dos Deputados, onde deve ser apreciada até o dia 22 de junho para não perder a validade.