RONDONIA RO
Conectado por

Rondônia, sábado, 19 de junho de 2021.



G1

Porto Velho ganha estátua em homenagem a Manelão, fundador da Banda do Vai Quem Quer


Compartilhe:

Publicado por

em


Manoel Mendonça é lembrado como símbolo da cultura carnavalesca no estado. Siça Andrade ao lado da estátua do pai, Manoel Mendonça, conhecido como o “Manelão”
Leandro Morais/Prefeitura de Porto Velho
Uma estátua em homenagem ao Manoel Mendonça, conhecido como o “Manelão”, foi inaugurada na Praça do Mercado Cultural, em Porto Velho, neste final de semana. O fundador da “Banda do Vai Quem Quer” morreu no dia 28 de fevereiro de 2011. Ele é lembrado como símbolo da cultura carnavalesca no estado.
Série conta história do maior bloco de carnaval de Rondônia
A estátua feita pelo artista plástico Bruno Souza representa Manelão sentado, fazendo referência a época em que era conhecido carinhosamente como “confessionário”, pois convidava um conhecido para conversar e ouvia suas histórias.
Siça Andrade, filha de Manelão, acompanhou a solenidade de inauguração da estátua na última sexta-feira (29).
“Muito emocionada, realmente 10 anos da ausência dele e agora a gente pode vir aqui ver, ler na placa um pouco da história. E ele pediu muito que a gente não deixasse a banda morrer e nem a memória dele, porque não existia banda sem Manelão e nem Manelão sem banda”, disse Siça, atual presidente da Banda do Vai Quem Quer.
‘Manelão’, figura carnavalesca de Porto Velho, ganha estátua no centro da capital
Márcio Miranda, presidente da Fundação Cultural de Porto Velho disse que o Mercado Cultural foi o local apropriado para receber a estátua por ser, como o nome sugere, o berço da cultura no município.
O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, também esteve presente na cerimônia de inauguração e disse que o momento era importante por preservar a história da cidade.
A banda
O ano era 1981. Um grupo de amigos boêmios e apaixonados pela cultura discutia os problemas dos carnavais. Daí, nasce a Banda do Vai Quem Quer. Entre os amigos estava Manoel Mendonça, o Manelão, que ficou conhecido mais tarde como o “General da Banda”. Ela surge como uma espécie de protesto sob inspiração de um bloco carioca. A ideia deu tão certo que a Banda, hoje, é patrimônio cultural do estado.
‘Na Brincadeira entra Quem Quiser’
VÍDEOS: veja mais notícias de Rondônia

Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Fonte: G1 Rondônia