RONDONIA RO
Conectado por

Rondônia, terça, 20 de abril de 2021.



Política

Situação crítica da AROM preocupa novo presidente; denúncias foram levadas ao TCE e MP


Compartilhe:

Publicado por

em


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Na manhã desta quarta-feira (10), o presidente da Associação Rondoniense de Municípios (AROM), prefeito Célio Lang, reuniu a imprensa e apresentou o relatório enviado ao Tribunal de Contas com as irregularidades encontradas nos atos administrativos e financeiros da entidade, na gestão do ex-presidente, Claudio Santos e sua vice, ex-prefeita de São Francisco do Guaporé, Gislaine Clemente, a “Lebrinha”, presa durante Operação Reciclagem, em setembro do ano passado.

O presidente iniciou a coletiva esclarecendo que encontrou bastante resistência para assumir a presidência da AROM por parte do ex-diretor executivo Roger Andrade. “Está sendo bastante difícil porque não tivemos uma transição como deveria ser com as informações levadas à atual gestão. Nós trouxemos advogados, contadores e técnicos voluntários para que pudessem nos auxiliar, e foi dificultando nosso trabalho por não termos informações. O pedido que fizemos ao ex-diretor para que ele informasse a situação atual da AROM não foi atendido”, disse.

De acordo com presidente, a atual gestão encontrou a entidade em uma situação crítica na organização e na parte financeira. “Em um breve relatório feito, eu encaminhei ao Tribunal de Contas, Ministério Público de Contas e Ministério Público Estadual, informações sobre vários índices de irregularidades da antiga gestão. A entidade tem grande importância e relevância no seu trabalho desenvolvido em prol dos 52 municípios. É uma entidade necessária, com todo o acesso ao Governo Federal, Estadual e Assembleia, para que os recursos cheguem de forma organizada”, enfatizou.

Sem prestação de contas

A AROM, segundo o presidente, se mantem com 100% dos recursos públicos pagos pelos 52 municípios do Estado. “Até hoje não houve uma prestação de contas junto ao Tribunal de Contas. Os órgãos fiscalizadores têm por dever de receber essas informações, mas nunca foi entregue e nunca houve prestação de contas do dinheiro que entra na AROM, por parte da antiga gestão, que foi imbatível em não prestar contas. O TC cobrava isso da entidade, mas foi sempre debatido contra. Agora, foi designado um conselheiro para nos orientar nos trabalhos de prestação de contas que irá ser feito”, explicou Célio Lang.

Além da tomada de contas interna que a nova diretoria da AROM irá fazer para apurar indícios de irregularidades constatadas até esse momento, o Tribunal de Contas também irá fazer um levantamento de contas da instituição, segundo informou o presidente. “Vamos verificar todos os contratos que temos e informar ao Tribunal de Contas porque vamos trabalhar com a transparência com todos os gastos que a instituição tiver”, afirmou.

Em um breve levantamento interno feito pela atual gestão, foram constatadas irregularidades em pagamentos de diárias. “Foram gastos absurdos durante a pandemia. Eram valores altos, pagos mensalmente de forma desnecessária porque ninguém estava viajando por conta da pandemia. O gasto foi muito alto, com uma dívida passando dos R$ 700 mil para os cofres da AROM”. Esclareceu Célio Lang.

Desde que a ex-presidente, Gislaine Clemente, assumiu a presidência após Claudio Santos renunciar para concorrer ao cargo de prefeito em Theobroma, ela nunca registrou a Ata para que fosse dado o poder como presidente, mas logo veio a Operação da Polícia Federal e a renúncia dela.

Com todos os cargos vagos, o ex-diretor executivo Roger André, queria a todo custo fazer uma eleição somente para vice-prefeito e secretário geral, cargo que estava vago, segundo Célio Lang. “Mas não concordamos com essa ideia. Foi quando fizemos a assembleia geral para a nova eleição dentro da lei”, disse.

O presidente informou ainda, que foi solicitada uma perícia em todos os computadores da AROM. Ele disse ainda, que o sistema de segurança foi zerado, e a Polícia foi comunicada para investigar.