Giardinni SBS
Conectado por

Plural Saúde

G1

Ex-funcionários do mercado Gonçalves fazem protesto pelo pagamento de direitos trabalhistas em RO


Publicado por

em


Trabalhadores cobram da Justiça decisão pela venda de imóveis para pagamento dos créditos. Empresa faliu em julho de 2019 após três anos em recuperação judicial. Manifestação de ex-funcionários da Rede Gonçalves
Um grupo de trabalhadores do falido Supermercado Gonçalves se reuniu na manhã desta segunda-feira (26) em frente a sede do Tribunal de Justiça (TJ-RO), em Porto Velho, para cobrar uma solução no judiciário quanto ao pagamento de direitos trabalhistas não efetuados pela empresa.
Entenda o processo de falência do Supermercado Gonçalves
Um movimento simultâneo aconteceu em Ji-Paraná (RO), na frente do escritório de advocacia que foi designado pela Justiça como administrador judicial. Na capital, a Avenida Farquar chegou a ser fechada por uma hora.
O Supermercado Gonçalves tinha seis lojas em Porto Velho e faliu em julho de 2019, depois de três anos em recuperação judicial. Cerca de 1,6 mil funcionários foram demitidos e ficaram sem receber salários atrasados e outros direitos trabalhistas.
Com faixas, cartazes e carro de som, os trabalhadores reivindicam que seja destacado um juiz especialmente à ação, acompanhamento do Ministério Público e a adjudicação (venda dos prédios) para pagamentos dos funcionários. O processo tramita na 6ª Vara Cível da capital.
Ex-funcionários do Supermercado Gonçalves protestam em Ji-Paraná.
Rede Amazônica/Reprodução
Em agosto, o Grupo Nova Era, de Manaus, ofereceu R$ 20 milhões por três unidades da massa falida em Porto Velho nas avenidas Abunã, Calama e Jatuarana.
Ao G1, o escritório que faz a administração judicial informou que prefere a venda pela modalidade pregão para que, com maior competitividade, o valor levantado também seja mais alto, o que possibilitaria o pagamento de mais credores.
O valor, segundo o sindicato que representa os ex-empregados, é suficiente para pagar as dívidas trabalhistas que o mercado deixou. Como resultado da manifestação, os trabalhadores conseguiram o agendamento de uma reunião com o corregedor do Tribunal de Justiça na terça-feira (27).
A reportagem entrou em contato com o escritório designado como administrador judicial e aguarda retorno.
Veja mais notícias do G1 Rondônia

Continua após a publicidade

Fonte: G1 Rondônia

Comentários do Facebook - Comente
Continuar leitura

Publicidade

Mais destaques

Facebook