educamais
Conectado por

Plural Saúde

Nacional

O câncer nunca espera


Publicado por

em

O câncer nunca espera

Continua após a publicidade

*Jaqueline Chagas

A pandemia de Covid-19 mostrou de maneira clara e sem filtro as inúmeras mazelas da sociedade. No Brasil, muitos morreram, milhares ficaram doentes e tantos outros perderam seus empregos. Além disso, aqueles que já estavam doentes, ficaram sem poder se tratar adequadamente ou não puderam fazer exames de rotina.


Continua após a publicidade

Por exemplo, segundo estimativas da Sociedade Brasileira de Patologia e de Cirurgia Oncológica, ao menos 50 mil brasileiros deixaram de ser diagnosticados com câncer. Outros tantos pacientes, já com o tumor detectado, precisaram ter seus tratamentos suspensos. Cerca de 70% das cirurgias desse tipo de paciente, tiveram de ser adiadas.


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Esses dados são resultantes dos cancelamentos ou remarcações de procedimentos considerados não urgentes, como, por exemplo, consultas e exames. Além disso, muitas pessoas ficaram com medo de consultar um médio ou buscar um hospital pelo receio da contaminação. Instituições importantes viram a queda de atendimentos durante o período, como o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp).

Mas será que haverá outras remarcações? Dará tempo de resistir até lá? São questões que quem está com câncer se pergunta o tempo todo. Por exemplo, tive uma consulta que seria em dezembro, mas que foi remarcada. Ela seria importante, pois determinaria a mudança da hormoterapia, que funciona como uma quimioterapia oral que realizo todo dia, mas que tem tido baixa eficácia. Até quando vou precisar esperar? E outros pacientes na mesma situação, como ficam?


Continua após a publicidade

Para piorar a situação de inúmeros pacientes, devido ao medo do contágio do novo coronavírus, há médicos que preferem não tocar em pacientes quando fazem exames nesse período. Porém, isso é fundamental, já que precisam tocar na mama, na axila e outros pontos para identificar possíveis linfonodos (são gânglios linfáticos, que permitem a possível identificação ou piora da doença).

É preciso ressaltar a séria preocupação com o Covid-19, no entanto, o câncer nunca estará em quarentena. Pelo contrário, a doença nunca espera. Quem está em acompanhamento, necessitando de exames de rotina para o rastreamento do câncer, que precisa fazer consulta de seis em seis meses, acaba entrando nessa estatística, ora pelas consultas remarcadas ora pelo próprio medo do coronavírus.

Não podemos reclamar o tempo todo da pandemia. Vale ressaltar que muitos problemas do sistema de saúde não são de agora. O que era deficiente só ficou pior com o aumento do contágio do novo coronavírus. Os pacientes não podem ficar de lado. Como já disse e reforço, o câncer não espera.

(*) Contabilista, paciente que luta contra o câncer e fundadora do Grupo Unidas para Sempre, que tem como objetivo dar suporte e apoio ao paciente com câncer e outras patologias.

Comentários do Facebook - Comente
Continuar leitura