educamais
Conectado por

Plural Saúde

G1

Cinco integrantes da organização criminosa de Jarvis Pavão são transferidos para presídio de Porto Velho


Publicado por

em


Entre os presos está o filho de Jarvis Pavão, considerado peça importante no tráfico na fronteira com o Paraguai. Investigações apontam que grupo lavava dinheiro do tráfico internacional de drogas. Aeronave do Caop trouxe cinco presos da Operação Pavo para Porto Velho
Eduardo Freitas/Rede Amazônica
Cinco presos na operação Pavo Real foram transferidos neste sábado (29) para o sistema prisional de Rondônia. Entre os detidos está o filho de Jarvis Pavão. Segundo a Polícia Federal, ele liderava junto com o pai, uma organização criminosa dedicada à lavagem e ocultação de bens obtidos por meio do tráfico internacional de drogas.
Eles chegaram a Porto Velho em uma aeronave da Coordenação de Aviação Operacional (CAOP) da Polícia Federal. Pousaram por volta das 14h40 no Aeroporto Internacional Governador Jorge Teixeira. Na sequência, embarcaram em um ônibus do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) em direção ao Instituto Médico Legal (IML) da capital (veja no vídeo abaixo).
Presos da Operação Pavo chegam ao IML de Porto Velho
Após exames de corpo de delito no IML, os integrantes da associação criminosa foram encaminhados ao sistema prisional do estado, segundo a PF.
Operação Pavo Real
No âmbito da operação Pavo a Polícia Federal cumpriu 21 mandados de prisão –16 preventivas e cinco temporárias – e 67 de busca e apreensão no Distrito Federal e outros quatro estados: Rondônia, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Santa Catarina, na última quinta-feira (27).
Segundo a PF, as investigações começaram em fevereiro de 2019 em Rondônia, para identificar a movimentação de valores por um dos internos da Penitenciária Federal de Porto Velho.
Segundo as investigações, mesmo preso, Jarvis comandava um esquema de lavagem de dinheiro e ocultação de bens obtidos por meio do tráfico internacional de drogas. A organização criminosa contava com a esposa, a mãe, o padrasto, filhos, genros, irmãos e sobrinhos dele. Todos foram alvos de mandados de prisão.
Em nota, a PF informou que agentes federais de execução penal apreenderam, na cela do interno, bilhetes redigidos de próprio punho, contendo anotações de diversos imóveis identificados apenas por siglas e codinomes, tanto no Brasil quanto no exterior.
“Com a liderança exercida pelo interno e seu filho, os investigados se associaram para a perpetuação e controle do tráfico internacional de drogas na fronteira entre o Mato Grosso do Sul e o Paraguai, em uma verdadeira “guerra” contra facções e organizações rivais”, consta da nota da Polícia Federal.
Jarvis está detido na Penitenciária Federal de Brasília há um ano.
A primeira fase da operação foi deflagrada em junho do ano passado. À época, foram cumpridos mandados de busca e apreensão em imóveis de alto padrão em Porto Velho, que teriam sido alugados pelo grupo criminoso para ficar mais próximo à penitenciária federal da cidade.
Polícia Federal faz operação contra o tráfico internacional de drogas
Jarvis Pavão
Jarvis Chimenes Pavão era, segundo a Justiça brasileira, um dos principais fornecedores de cocaína do país. De acordo com a Polícia Federal, já foi condenado a mais de 60 anos de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro e tráfico internacional e drogas.

Continua após a publicidade

Fonte: G1 Rondônia

Comentários do Facebook - Comente
Continuar leitura

Publicidade

Mais destaques

Facebook