Conectado por

Plural Saúde

Exame

Clientes enfrentam dificuldade para solicitar pausa de prestação em bancos


Publicado por

em

Para ajudar as famílias a enfrentar o atual momento econômico, as cinco maiores instituições financeiras do país — Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú Unibanco e Santander — anunciaram a suspensão da cobrança de parcelas de algumas linhas de financiamento. A pausa é acionada quando os clientes pedem, e muitos deles têm tido dificuldade para fazer essa solicitação a seus bancos.

A EXAME entrou em contato com as instituições por suas centrais de atendimento para obter orientações — como fariam os correntistas — de como solicitar a suspensão. Quando as chamadas foram atendidas, recebeu informações desencontradas. Mas, na maior parte das vezes, foram minutos de espera sem sucesso.


Continua após a publicidade

Correntistas ouvidos pela EXAME relatam diversas dificuldades. Uma cliente da Caixa solicitou pausa no financiamento imobiliário pelo aplicativo Habitação e recebeu a resposta de que o banco entraria em contato em 48 horas. Uma cliente do Santander Brasil ligou para o banco e foi informada de que terá de fazer a solicitação de pausa no financiamento sete dias úteis antes do vencimento das parcelas.


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

No site Reclame Aqui, existem algumas reclamações sobre a conduta do Bradesco nessas solicitações. Um cliente do banco afirmou que demorou mais de um dia tentando falar com o serviço de atendimento ao consumidor. Depois que conseguiu, não teve a solicitação atendida. Outro cliente reclamou que o atendente do Banco do Brasil disse que não existe prorrogação. E ainda um correntista do Itaú disse que tentou entrar em contato há dias pela central de atendimento para pausar o financiamento e, como ninguém atendeu, foi à agência. Mesmo assim, não obteve solução.

Era de esperar que houvesse dificuldades iniciais. Afinal, a demanda por atendimento aumentou consideravelmente, já que a pausa nas prestações é importante para boa parcela da população. Mas não é só isso. O tema é novo, existem dúvidas com relação às regras e condições e muitos atendentes de centrais de atendimento estão trabalhando à distância pela primeira vez.


Continua após a publicidade

Em nota, o Bradesco diz que está atendendo a todas as solicitações para prorrogação dos prazos dos contratos de financiamento. “As condições estão sendo mantidas. Eventuais manifestações são casos pontuais e o banco permanece à disposição para resolver”, afirma o banco.

As regras para a suspensão das parcelas mudam de banco para banco. No Itaú, por exemplo, as linhas de financiamento que permitem a pausa das parcelas são de imóvel e veículo. Apenas os clientes com pagamento em dia podem requerer a postergação por 60 dias, por meio das centrais de atendimento do Itaú. Durante este período, é mantida a mesma taxa de juro, sem a cobrança de multa. As parcelas não serão encavaladas: o cliente fica dois meses sem pagar e depois volta ao normal, com a adição dos meses que não foram pagos ao final do financiamento.

Já no caso da Caixa, é possível pausar o financiamento habitacional, desde que não haja mais de duas parcelas em atraso. A suspensão pode chegar a 90 dias. As parcelas pausadas serão incorporadas ao saldo devedor. No entanto, essa opção não está disponível para clientes que utilizam o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para pagamento das prestações mensais. As mesmas condições estão sendo oferecidas para clientes que possuem operação de home equity (empréstimo com garantia de imóvel) e que já tenham quitado pelo menos 11 parcelas. Até quinta-feira, 26, o banco recebeu 722.000 pedidos de pausa no financiamento imobiliário.

Fonte: Revista Exame

Comentários do Facebook - Comente

Publicidade

Mais destaques

Facebook