educamais
Conectado por

Plural Saúde

Geral

Administradora recomenda barrar acesso da Energisa em condomínios de Porto Velho


Publicado por

em

Restrição se daria em casos considerados abusivos, ilegais ou quando comprometesse a segurança interna


Continua após a publicidade

Uma Administradora de Condomínios de Porto Velho/RO recomendou aos seus mais de 40 condomínios clientes que não permitam o acesso de equipes da concessionária de energia elétrica, a Energisa, para a realização de serviços considerados abusivos, a exemplo de cortes sem aviso prévio ou em dias impróprios, bem como os que venham a descumprir procedimentos de segurança interna.

Na sua recomendação técnica, a empresa que é a maior do segmento na Capital, com 10 anos de atuação, explica que diversos síndicos relataram problemas ocasionados pelas visitas da companhia de energia elétrica sem o devido aviso prévio, além de manifestarem preocupação com a segurança, devido ao risco de bandidos se valerem dos uniformes da concessionária para ter acesso fácil aos condomínios residenciais.


Continua após a publicidade

Síndicos teriam relatado à Administradora, afirma a nota, que alguns moradores querem responsabilizar o próprio condomínio por cortes e demais procedimentos que eles entendem abusivos. “Por essa razão, entendemos necessária a manifestação visando sanar dúvidas recorrentes dos nossos milhares de clientes”, justificou a empresa.


Continua após a publicidade
Educa Mais Brasil

Entrada não é irrestrita

A recomendação aborda que o ingresso da concessionária no condomínio não é irrestrita, ou seja, ilimitado. “A Concessionária tem se valido de resoluções da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para que seus técnicos possam entrar nos condomínios da cidade, porém leis federais não autorizam abusos e descumprimentos dos procedimentos de segurança”, taxou a nota divulgada aos condôminos.


Continua após a publicidade

Dentre esses abusos, a empresa alertou para a prática da cobrança vexatória (crime previsto no Código de Defesa do Consumidor), além do corte em dias impróprios, cuja proibição é prevista em lei ordinária estadual (Lei n. 1.783/2007), onde o serviço de energia ou água não podem ser interrompidos, por falta de pagamento, em sextas, sábados, domingos, feriados e vésperas de feriados.

Também citou que a transparência, dignidade, harmonia e boa-fé, princípios fundamentais das relações de consumo e até mesmo da Constituição Federal, são desrespeitados quando o consumidor não tem ciência clara e inequívoca do corte de energia elétrica ou da troca de seu medidor.

Em relação aos procedimentos de segurança, a Administradora evidenciou sobre a obrigação dos agentes de portaria de exigirem a identificação dos prestadores de serviços.

Dessa forma, as recomendações realizadas foram no sentido de: não permitir a entrada das equipes para o corte de energia nos termos da lei estadual vigente; para que sejam registrados em livro próprio os procedimentos que serão realizados em cada unidade consumidora, contendo dia e horário, nome e assinatura do técnico e do agente de portaria; não atribuir aos seus colaboradores a função de acompanhamento dos trabalhos da concessionária para evitar qualquer tipo de responsabilização; que os moradores das unidades consumidoras sejam avisados previamente à entrada dos técnicos para a realização de qualquer serviço (ou corte) em sua unidade, exceto a medição para emissão de fatura; e, por fim, para que os consumidores que se sentirem prejudicados procurem os seus direitos junto aos órgãos de defesa (Procon, Ministério Público, Delegacia do Consumidor) e/ou diretamente ao advogado de sua confiança.

(Luiz Alexandre | Valorize Administradora de Condomínios)
Comentários do Facebook - Comente
Continuar leitura

Publicidade

Mais destaques

Facebook