Conectado por



Plural Saúde

Jurídicas

Vara do Trabalho de Buritis/RO está entre as 10 melhores unidades do país, aponta Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho

Publicado por

em

Outras 14 varas do trabalho de RO e AC estão no 1º quartil do ranking de desempenho

A Vara do Trabalho de Buritis/RO, a 231 km da capital Porto Velho/RO, está em 9º lugar entre as 10 melhores varas trabalhistas do país. O ranking com o desempenho das 1.565 varas do trabalho brasileiras foi divulgado nesta quarta-feira, dia 17, pela Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho, referente ao período de 1º/07/18 a 30/06/19.
O ranking teve como base o Índice Nacional de Gestão do Desempenho da Justiça do Trabalho (IGEST), o qual mostrou que 15 das 32 varas pertencentes ao Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região figuram no 1º quartil de desempenho, ou seja, entre as 25% que obtiveram os melhores resultados.
Além de Buritis, as Varas do Trabalho de Guajará-Mirim/RO e a 3ª de Porto Velho/RO também se destacaram entre as 100 melhores, na 66ª e 79ª posições, respectivamente.
Sobre o resultado, o juiz Eudes Rinaldi, titular da VT de Buritis, afirmou que “estamos extremamente felizes com os resultados estatísticos alcançados na prestação jurisdicional na VT/Buritis. Primeiro, porque esses números representam efetivamente a entrega da jurisdição em nível de alta qualidade, sempre de modo a atender os anseios da população local, e, segundo, porque refletem amplamente todos os esforços e qualidades da equipe de trabalho da vara, à qual externo meus parabéns e extremada gratidão pelo apoio e abnegada dedicação funcional. Esse era um objetivo pretendido e para o qual já nos havíamos comprometido. Agora, é persistir no aprimoramento de rotinas e processos de trabalho, com vistas a evoluir em direção ao primeiro lugar geral”, ressalta o magistrado.
Sobre o IGEST
O Índice Nacional de Gestão do Desempenho da Justiça do Trabalho (IGEST) foi desenvolvido pela Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho a partir do Mapeamento Global de Desempenho dos Tribunais Regionais do Trabalho da 3ª e da 15ª Regiões, bem como de estudos realizados pela Coordenadoria de Estatística e Pesquisa do Tribunal Superior do Trabalho, com o objetivo de contribuir para o aprimoramento da gestão das varas do trabalho do País.
Para tanto, apresenta um referencial numérico que sintetiza os mesoindicadores Acervo, Celeridade, Produtividade, Taxa de Congestionamento e Força de Trabalho, adotados em consonância com os objetivos judiciários do Plano Estratégico da Justiça do Trabalho 2015-2020 de assegurar a celeridade e a produtividade na prestação jurisdicional, estimular a conciliação e as soluções alternativas de conflito e impulsionar as execuções trabalhistas e fiscais.
São consideradas todas as varas do trabalho ativas durante todo o período de 12 meses anteriores ao período final de apuração.

TRT 14 – RO e AC -> Varas do Trabalho no 1º Quartil de Desempenho

Colocação

Buritis

------- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -------

Guajará-Mirim

66º

------- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -------

3ª Vara de Porto Velho

------- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -------
DJ90.COM.BR WEBRÁDIO

79º

Machadinho D’Oeste

114º

Cacoal

122º

Rolim de Moura

126º

1ª Vara de Ariquemes

127º

8ª Vara de Porto Velho

180º

Plácido de Castro

186º

Colorado do Oeste

191º

1ª Vara de Ji-Paraná

199º

2ª Vara de Ariquemes

225º

6ª Vara de Porto Velho

247º

Jaru

314º

Ouro Preto do Oeste

331º

 

Secom/TRT14

Continuar leitura

Geral

Justiça do Trabalho determina que Caixa adote medidas imediatas para garantir a saúde dos bancários em Rondônia

Publicado por

em

Por

Por conta de ação ajuizada pelo Sindicato dos Bancários e Trabalhadores do Ramo Financeiro de Rondônia (SEEB-RO), a Justiça do Trabalho, em caráter liminar, determinou nesta segunda-feira, 23/3, que a Caixa Econômica Federal, em todas as suas agências existentes no Estado, adote medidas imediatas para assegurar a saúde dos bancários diante da pandemia do novo coronavírus (COVID-19).

Entre essas medidas está o atendimento presencial, ao público, apenas para os casos considerados como ‘essenciais’ (compensação bancária, redes de cartões de crédito e débito, caixas bancários eletrônicos…), além do contingenciamento nas agências.

Para a Juíza do Trabalho Substituta Joana Duha Guerreiro, da 2ª Vara do Trabalho de Porto Velho (TRT 14), a suspensão total das atividades classificadas como ‘essenciais’ acarretaria consequências nefastas, impossibilitando que os correntistas acessassem seus recursos financeiros essenciais para a manutenção da sua própria subsistência, a fim de viabilizar a compra de itens de primeira necessidade, como alimentos e medicamentos.

------- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -------

“Porém, é razoável que se determine que o acesso às agências se dê de forma controlada, autorizando-se a entrada de um cliente por vez, e tomando-se as devidas precauções, exigindo-se desse cliente a imediata assepsia das mãos e que o atendimento seja feito com distanciamento mínimo de dois metros e por meio de separador de vidro que deverá ser higienizado a cada atendimento. As mesmas precauções de controle de entrada deverão ser tomadas no acesso aos caixas eletrônicos, permitindo-se o acesso de apenas um cliente por vez. Para tal finalidade, poderá a instituição financeira valer-se de reforço policial, caso se faça necessário”, menciona a magistrada na decisão.

Agora o banco terá que, no prazo de 48 horas, cumprir as seguintes determinações:

1 – Afastar imediatamente todos os trabalhadores classificados como “grupo de risco”, incluindo nesses os trabalhadores(as): maiores de 60 (sessenta) anos; portadores de doenças crônicas e/ou imunodeprimidos;

------- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -------

2 – Determinar e viabilizar que na entrada e saída de quaisquer funcionários nas dependências seja efetuada a higienização das mãos com água e sabão em lavatórios;

------- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -------
DJ90.COM.BR WEBRÁDIO

3 – Proporcionar que o acesso às agências se dê de forma controlada, autorizando-se a entrada de um cliente por vez, e tomando-se as devidas precauções, exigindo-se desse cliente a imediata assepsia das mãos e que o atendimento seja feito com distanciamento mínimo de 2m e por meio de separador de vidro que deverá ser higienizado a cada atendimento;

4 – Adotar as mesmas precauções de controle de entrada acima mencionadas no acesso aos caixas eletrônicos, permitindo-se o acesso de apenas um cliente por vez, podendo inclusive valer-se de reforço policial, caso seja necessário;

5 – Realizar higienização específica, regular e minuciosa das áreas dos caixas eletrônicos.

6 – Indicar ao Juízo quais são suas atividades essenciais e quais são passíveis de teletrabalho;

7 – Promover a readequação destas atividades essenciais, com rodízio dos empregados, se possível e necessário, além da realização do teletrabalho nas atividades em que tal medida se afigure viável;

8 – Informar ao Juízo o número mínimo de cargos necessários para manter as atividades essenciais em funcionamento e a liberação ou teletrabalho de todas as pessoas cujo serviço não seja essencial;

11 – Suspender qualquer visita não essencial dentro dos seus estabelecimentos.

Em caso de descumprimento de qualquer uma dessas medidas, o banco será multando em R$ 1 mil por dia.

A ação foi conduzida pelo advogado Felippe Roberto Pestana, do escritório Fonseca & Assis Advogados Associados, que presta assessoria jurídica ao Sindicato.

Processo 0000355-91.2020.5.14.0002

Continuar leitura

Jurídicas

MPT vê com extrema preocupação trechos importantes da MP 927

Publicado por

em

Por

Sede MPT em Porto Velho-RO

Ministério Público do Trabalho divulgou nota na qual aponta equívocos da medida provisória baixada hoje (23)

Brasília – O Ministério Público do Trabalho compreende o estado de calamidade vivido pelo país e pelo mundo e as sérias repercussões que a pandemia tem sobre a economia e sobre a sustentabilidade das empresas e, nesse sentido, se associa à necessidade de medidas emergenciais para esse momento.

Todavia, vê com extrema preocupação medidas que ao reverso de manterem o fluxo econômico em mínimo andamento mesmo em meio à crise, interrompem abruptamente a circulação de recursos e expõe uma gama enorme da população a risco iminente de falta de subsistência.

Evidencia-se plenamente equivocado imaginar um plano de capacitação, na forma do artigo 18 da MP, em que o trabalhador ficará por 4(quatro) meses em capacitação sem receber para tanto qualquer espécie de remuneração ou aporte assistencial por parte do aparato estatal. Em linhas gerais, tem-se um permissivo geral para a suspensão do contrato de trabalho, sem qualquer tipo de remuneração ou indenização para o trabalhador, o que além de tudo, acelera a estagnação econômica.

------- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -------

O Ministério Público do Trabalho também reforça o seu entendimento de que o diálogo social pode conduzir a medidas mais acertadas e, principalmente, que envolvam as classes trabalhistas e empresarial. Por essa razão, também vê com preocupação a não participação das entidades sindicais na concepção de medidas e a permissão de que medidas gravosas sejam feitas sem a sua participação.

Por outro lado, em meio a uma crise de saúde, a instituição entende paradoxal e equivocado excepcionar justamente o cumprimento de normas de saúde e segurança laboral, que ao reverso deveriam ser reforçadas, evitando mais perdas de vidas em um cenário tão adverso.

O Ministério Público do Trabalho reforça a sua integração ao esforço concentrado de instituições em prol do combate à pandemia e a sua ampla e irrestrita disposição para o diálogo para que as medidas trabalhistas possam surtir efeito com o devido êxito, sempre tendo como balizas os  parâmetros constitucionais, de equilíbrio da relações e de cogência das normas internacionais as quais o Brasil é aderente.

------- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -------

Fonte: Procuradoria-Geral do Trabalho
Ministério Público do Trabalho

------- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -------
DJ90.COM.BR WEBRÁDIO

 

 

Continuar leitura

Jurídicas

Como é a tributação dos bens adquiridos antes do casamento ou de uma união? Saiba aqui

Publicado por

em

Por

Nós falamos no programa anterior de como os casais podem declarar, se em separado ou em conjunto. Você contribuinte, então, já sabe que as duas formas são possíveis para casais unidos oficialmente ou que vivem como companheiros.

 

Mas e como ficam os rendimentos produzidos pelos bens adquiridos em condomínio por contribuintes que se casam, depois, pelo regime de comunhão parcial de bens?

------- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -------

 

Os bens adquiridos antes do casamento mantêm a forma de tributação estabelecida para bens adquiridos em condomínio, ou seja, cada cônjuge deve incluir em sua declaração 50% dos rendimentos produzidos por esses bens. Ou o percentual estabelecido em contrato, se for diferente.

 

------- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -------

Agora, os rendimentos de cada cônjuge, como os próprios advindos de trabalho remunerado ou aqueles produzidos por bens comuns seguem as regras para contribuinte casado.

------- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -------
DJ90.COM.BR WEBRÁDIO

 

E, saiba, que, nas uniões estáveis, a tributação no caso de patrimônio é a mesma do regime da comunhão parcial de bens. A menos que haja algum contrato escrito entre os companheiros, determinando outro tipo de relação patrimonial.

 

 

Simplificando o Imposto de Renda: programete produzido e veiculado pela Radioagência Nacional e a Rede Nacional de Rádio, de segunda a sexta, durante o período de entrega da declaração do Imposto de Renda 2020. Acesse aqui as edições anteriores.

Continuar leitura

Publicidade

Apostas Esportivas Online Betway
Plural Saúde

Educa Mais Brasil

Mais destaques

Facebook

WhatsApp chat