PublicidadeDJ90

Com informações do Rondoniagora.com

Liliane Andreza Silva de Lima, 25 anos, se apresentou na Delegacia de Homicídios de Porto Velho na manhã desta sexta-feira (18) e confessou ter matado Edivan Pedro dos Santos, de 39 anos, com golpes de martelo e facão na noite do dia 6 de janeiro deste ano, em uma residência localizada no Ramal Maravilha, na Zona Rural da Capital. Ela alegou legitima defesa. A mulher afirmou que é prostituta e era cliente antiga da vítima.

Acompanhada de um advogado, Liliane relatou para a delegada Leisa Loma, que no dia do crime estava ingerindo bebida alcoólica com a vítima em um bar na mesma região do assassinato. Edivan a teria chamado para fazer um programa sexual, mas ela disse que negou por ele ser uma pessoa difícil de lidar quando estava sob o efeito de álcool. Com a negativa, a jovem afirmou que o homem teria se irritado, quebrou uma garrafa e tentou agredi-la, mas foi impedido por outras pessoas.

Após a confusão, Liliane saiu do local em direção à casa da sua vó, mas segundo ela, foi surpreendida por Edivan no meio do caminho, armado com uma espingarda obrigando-a a seguir até sua residência, afirmando que iria matá-la.

Ainda em seu depoimento, a jovem disse que ao entrar na casa, Edivan a levou até o quarto, a jogou em cima da cama e saiu para pegar um facão. “Liliane contou que dentro do quarto havia um martelo e para se defender, afirmou que pegou o objeto e quando o homem retornou ela desferiu várias marteladas na cabeça dele até ficar desacordado. Não satisfeita, pegou o facão que estava com ele e deferiu vários golpes em Edivan que morreu no local”, disse a delegada Leilsa Loma.

Agora, a Polícia segue nas investigações para ouvir todas as testemunhas e saber se Liliane agiu sozinha no crime ou com ajuda de outras pessoas. “Nós constatamos que a porta da casa estava arrombada, mas na versão de Liliane ela afirmou que ele teria aberto a porta sem causas danos. Tudo isso vai ser apurado para saber se ela agiu sozinha ou com ajuda de terceiros no dia do crime, porque ela não teria força o suficiente para arrombar a porta e até mesmo medir forças com a vítima”, finalizou a delegada.

A jovem foi ouvida pela delegada e indiciada pelo crime de homicídio e foi liberada.