Gerson Costa
PublicidadeBolsas de Estudos com até 70% de desconto

Por Gérson Costa

O ano de 2019 promete boas notícias para o esporte de Porto Velho. Além do término da obra do complexo Padrão com seu campo de futebol com arquibancada para 1 mil pessoas e uma pista oficial de Atletismo, a Capital recebe o Centro de Iniciação ao Esporte (CIE), um complexo de excelência para treinamento para nossos melhores representantes em cada modalidade. O planejamento para receber os dois grandiosos empreendimentos passa pela compra de mobiliário, equipamentos e contratação de profissionais para atender as exigências do quase extinto Ministério do Esporte, já que o CIE envolve recursos do chamado “legado da olimpíada 2016” realizada no Rio.

Rotineiramente relegado ao segundo plano, o esporte no município de Porto Velho é tratado com respeito. Óbvio muito precisa ser feito e as ações também são limitadas conforme o Orçamento disponível. Mas dentro do que cabe a responsabilidade da pasta, definida em Lei, o esporte de iniciação e o desporto comunitário receberam a devida atenção nestes últimos dois anos.

Longe de criticar gestões passadas, mas é preciso falar de números. Em 2016, pouco foi feito pela iniciação esportiva. O interdistrital era disputado em dois anos, pouco mais de 200 crianças estavam matriculadas nas escolinhas e Porto Velho só contava com futebol. Não por culpa dos valorosos servidores, mas a classe estava de mãos atadas porque o fazer passa pela vontade do gestor. O cenário mudou. No biênio 2017\2018, de 279 crianças, a Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Semes) passou a atender quase 5 mil alunos e não apenas no futebol, mas em mais outras 11 modalidades esportivas. Além de chuteiras, cuja compra foi feita através de doação, a secretaria disponibilizou a complementação alimentar após o treinamento.

No âmbito interno, os servidores organizaram o Regimento da Semes, definindo responsabilidades; foram criados o Conselho Municipal de Desenvolvimento do Esporte e o Fundo de Desenvolvimento ao Esporte, atuamos fortes nos conselhos criados pelas demais secretarias para atenção a criança, a mulher e o idoso; os servidores estatutários foram valorizados e chamados a participar das decisões futuras.

Neste ano de 2019, a decisão do prefeito Hildon Chaves é ampliar os indicadores, fazendo do esporte a grande ferramenta de transformação social. Se não é possível tirar um grande craque do futebol ou uma grande atleta da ginástica, o esporte ensina disciplina, insere princípios no caráter da criança e produz um cidadão de bem para a nossa sociedade. Que 2019 seja o ano do esporte em Porto Velho!