O superintendente estadual de Turismo, Júlio Olivar, cumpre agenda em Brasília em busca de recursos financeiros para viabilizar projetos na área do turismo em Rondônia. “O apoio da deputada federal Marinha Raupp, a maior parceira do turismo, tem sido fundamental porque, literalmente, nos abriu as portas e permite que avancemos em várias questões”, disse Olivar. Segundo ele, recursos ‘travados’ no Ministério do Turismo foram liberados, com informações sobre outros projetos em trâmite, além de terem sidos protocolados pedidos de emendas em todos os gabinetes dos deputados federais.

Júlio Olivar informou que uma das maiores conquistas foi o Centro de Convenções para Porto Velho e a revitalização da Casa de Rondon em Vilhena, além da liberação das verbas pendentes na execução da construção dos dois centros culturais de Guajará. “Estamos trabalhando na articulação de uma série de ações para o turismo de Rondônia. Conseguimos respostas dos deputados, nem sempre com emendas, mas as demandas que levantamos com nosso trabalho na Setur acabam gerando outras ações e iniciativas que pautam os deputados em suas articulações junto aos ministérios. Exemplo disso é o centro de convenções de Porto Velho, demanda que nós colocamos como prioridade desde 2015 e que agora foi autorizada mediante o SICONV/MTUR. É uma obra com 30 mil metros quadrados e investimentos de mais de 14 milhões de reais, com apenas 200 mil de contrapartida do governo do Estado”, mencionou.

O superintendente estadual de Turismo acrescentou que também em Brasília articulou o repasse imediato de recursos de mais de 800 mil reais pendentes no Ministério do Turismo com relação a obras já medidas e executadas em Guajará-Mirim, cujas contrapartidas do Estado já foram pagas 100%. “Já notificamos o ministério e pedimos solução imediata para não haver paralisação dos centros culturais em construção”, acentuou. Outra questão que levou o superintendente da Setur até a capital federal está relacionada diretamente à revitalização do museu Casa de Rondon, em Vilhena. Segundo ele, os recursos do MTUR, articulados pela SETUR – na casa dos 540 mil, já foram empenhados e o projeto arquitetônico está sendo concluído. “Já temos autorização do Iphan para a execução da obra, porém falta a reversão do terreno da Aeronáutica para a SPU, órgão que destinará o patrimônio da União ao Estado para execução da importante obra de preservação da memória de Rondônia”, informou Olivar, explicando que o contrato, com vigência até 2022, já foi celebrado entre a Setur e a Caixa Econômica Federal, necessitando somente da solução do domínio da área para que a obra possa ser licitada.